Descubra a aprendizagem evolutiva e saiba como ela pode ajudar a engajar os estudantes

Como fazer com que um planejamento saia do papel da forma mais efetiva possível, resolvendo questões reais da comunidade escolar ou acadêmica? Para muitos educadores, alcançar esse objetivo só é possível quando todos as pessoas afetadas por determinada questão são envolvidas na sua solução.

Quem escolhe esse método está aplicando o principal preceito da aprendizagem evolutiva. A metodologia pode ser usada em sala de aula ou até mesmo na definição de políticas públicas relacionadas à educação.

Saiba, a seguir, os benefícios da aprendizagem evolutiva e como adotá-la no ambiente escolar.

O que é aprendizagem evolutiva?

A aprendizagem evolutiva é uma metodologia focada na busca por soluções em conjunto. Sua ideia é partir de problemas específicos, que devem ser solucionados com o envolvimento das pessoas diretamente impactadas por ele – e que serão beneficiadas por essa solução.

Essa forma de trabalho considera as vivências, os pontos de vista e saberes de cada ator social para subsidiar alguma tomada de decisão. No ambiente escolar, por exemplo, pode ser usada para eliminar gargalos no ambiente escolar a partir do envolvimento de pais, alunos, vizinhos e corpo docente.

O resultado são decisões mais acertadas, plurais e com maior chance de efetividade, já que a solução foi construída em conjunto. Dessa maneira, a aprendizagem evolutiva valoriza saberes prévios, de diferentes naturezas, para definir novos caminhos que melhorem o dia a dia da escola ou academia.

 

aprendizagem evolutiva

 

Como adotar a aprendizagem evolutiva na escola?

Diversos problemas e questões do dia a dia de escolas ou universidades podem ser solucionados a partir da aprendizagem evolutiva. Pode parecer um desafio, mas é possível envolver toda a comunidade escolar ou acadêmica na busca por processos que fazem mais sentido para determinada realidade.

Na prática, a aprendizagem evolutiva considera a definição de problemas específicos e suas causas, a busca por caminhos que podem solucioná-los, a execução desse planejamento e o monitoramento e a avaliação dos resultados.

A força dessa metodologia é contar com a participação de todos os atores em todas as partes desse processo, até mesmo de alunos e seus familiares. O resultado é o empoderamento dessas pessoas envolvidas, que percebem a valorização de suas experiências para a busca de soluções práticas, transformadoras e criativas para problemas que normalmente são solucionados de maneira hierárquica.

Para solucionar questões usando a aprendizagem evolutiva, basta criar uma estrutura que comporte o envolvimento dessas pessoas em todas as etapas, desde a construção à avaliação das soluções. O desafio é, também, considerar pontos de vista que, muitas vezes, são resultados da experiência, de tradições familiares ou até mesmo da observação. O importante, aqui, é encontrar a riqueza de cada ponto de vista.

Adote a metodologia em sala de aula

A aprendizagem evolutiva pode ser rica para a solução de problemas complexos, mas também tem grande potencial se usada em sala de aula. Ela pode contribuir para aumentar o engajamento da turma, já que valoriza as considerações e vivências de cada estudante. Outro benefício é garantir o ensino cada vez mais personalizado, uma vez que cada aula será distinta justamente por considerar aspectos das experiências de vida da turma.

Uma alternativa possível é envolver os alunos em projetos multidisciplinares dedicados à resolução de problemas específicos que podem beneficiar toda a comunidade escolar. Se uma escola, por exemplo, é vizinha a um rio e sofre com o mau cheiro causado pela quantidade de lixo jogada na área, como os alunos podem usar seus conhecimentos para solucioná-lo? A resposta pode ser a aplicação de conhecimentos adquiridos durante aulas prévias aliados com outras experiências vivenciadas fora do ambiente escolar.

Outra maneira de envolver a turma e a comunidade escolar é colocando em prática a lógica da inovação aberta. Não sabe o que é o conceito? Confira neste post.

leia também

Conheça as 10 competências gerais da BNCC
continuar lendo
Autodidatas: como aprendem os jovens de hoje e como incentivá-los a ‘aprender a aprender’
continuar lendo
17 podcasts sobre educação e empreendedorismo
continuar lendo

Quer ficar sabendo de tudo antes? Assine a
newsletter e receba novidades no seu e-mail.

x
área restrita
Usuário
senha