Cinco escolas paulistas que já abraçaram o movimento maker

A revolução do faça-você-mesmo tem chegado, pouco a pouco, à educação. Trazendo mais inovação, criatividade e autonomia para os alunos, os espaços makers aliam ferramentas manuais e maquinário para fabricação digital, em verdadeiros laboratórios de criação e experimentação.

Conheça cinco iniciativas baseadas na cultura maker adotadas por escolas do estado de São Paulo.

Centro Educacional Unificado (CEU) Pimentas - Guarulhos

Aulas de programação e projetos experimentais que misturam tecnologia e atividades “mão na massa” para estimular o aprendizado. Assim são as aulas no CEU Pimentas, espaço pensado para promover a interação social e familiar, contribuindo para a qualidade da educação. O trabalho é feito em parceria com o programa Fab Social com recursos da Secretaria de Educação de Guarulhos.

 

Projeto Âncora - Cotia

A Escola do Projeto Âncora é referência em diferentes iniciativas quando o assunto é educação empreendedora. Lá, os alunos aprendem por meio de projetos multidisciplinares. Um deles, resultou na criação de um captador de água da chuva, desenvolvido pelos alunos durante oito meses, como parte das pesquisas sobre a crise hídrica em São Paulo. Para a construção do equipamento, os estudantes trabalharam conceitos de física, geografia hídrica, química, matemática e história.

 

Stance Dual - São Paulo

Fun Science é o nome que recebeu a aula de física extracurricular ministrada há sete anos na escola Stance Dual como foco na experimentação. Entre lâmpadas de LED, circuitos de eletrônica e sensores, os alunos são preparados para lidar com os próprios erros, inovar e resolver problemas de forma criativa.

 

Colégio Visconde de Porto Seguro - São Paulo

Os alunos do colégio Visconde de Porto Seguro contam com três makerspaces nas instalações da escola para aprenderem fazendo. Entre as ferramentas disponíveis estão a impressora 3D, fresadora, notebooks e ferramentas manuais como serrotes, martelos, pedaços de madeira e de plástico. De lá, saem projetos que combinam diferentes disciplinas como minicidades de lego e arduíno e separadores de tampinhas de garrafas.

 

Laboratório de Educação Digital e Interativa (LEDI) - São José dos Campos

Aberto às escolas da rede municipal e à comunidade, o Ledi foi construído com recursos da Fundação Lemann com o objetivo de promover a livre experimentação. No espaço são desenvolvidas atividades de criação de conteúdo educativo digital como jogos e aplicativos para serem usados dentro e fora de sala de aula. Entre os equipamentos disponíveis para o aprendizado estão as lousas interativas, tablets e notebooks.

leia também

Espiral do conhecimento: conheça a metodologia
continuar lendo
Conheça a experiência da Babson College no ensino de empreendedorismo
continuar lendo
O que é pitch e como usá-lo na educação
continuar lendo

Quer ficar sabendo de tudo antes? Assine a
newsletter e receba novidades no seu e-mail.

x
área restrita
Usuário
senha