Cinco pontos para considerar no pitch da sua EdTech

Nos últimos anos, os empreendedores perceberam o potencial do mercado de educação para inovar e investir seus esforços. O setor tem vivido um crescimento exponencial no Brasil e no mundo, trazendo novas soluções de educação para alunos, professores e instituições de ensino. O mercado é grande e em franca expansão, mas o que nem sempre está claro são os critérios usados pelos investidores para alocar recursos nas EdTechs, as startups educacionais.

Veja o que considerar na hora de elaborar o pitch do seu negócio, para buscar investimento necessário para crescer ou torná-lo mais robusto.

Capacidade de realização do empreendedor

Não basta ter uma boa ideia, é preciso saber como colocá-la em prática. Por isso, é essencial que o empreendedor reúna uma série de competências fundamentais para a sobrevivência e sucesso do seu negócio. Resiliência, habilidade para trabalhar em equipe, disposição para enfrentar desafios e assumir riscos são algumas delas.

Avaliação do mercado que pretende atuar

Conhecer a fundo o mercado no qual se pretende entrar é um fator chave para agregar valor à solução oferecida. Entender as ferramentas já disponíveis no mercado, mapear a concorrência, as instituições, os agentes envolvidos na tomada de decisão e o comportamento dos usuários são fatores essenciais para pensar nas aplicações práticas e possibilidades do seu negócio, oferecendo mais garantias de um modelo rentável e sustentável.

Ser um negócio escalável e que pode resolver grandes problemas educacionais

No Brasil, ainda há uma escassez de soluções inovadoras para educação. Isso acaba se tornando um prato cheio para os empreendedores, pois há muito espaço para novos negócios. No entanto, é importante pensar em modelos escaláveis e relevantes para o mercado. Isso permite o crescimento a partir de um único investimento inicial ou com despesas reduzidas ao longo do tempo, fatores que garantem mais sustentabilidade dos negócios e segurança para investidores.

Resultados para escolas

Muitas EdTech já oferecem ferramentas e plataformas que auxiliam no dia a dia alunos e professores de diversas formas. Outra possibilidade, ainda pouco explorada, é desenvolver soluções para gestão das instituições de ensino ou com foco na diretoria e coordenação pedagógica, contribuindo para a adoção de novos modelos de ensino, para a inovação e para a tomada de decisão relacionada à gestão. Investir nessa área pode ser uma forma de se diferenciar no mercado e atrair o olhar dos investidores.

Conhecimento do universo de quem será beneficiado e mostrar relevância para eles

Conhecimento do mercado faz toda a diferença. No caso das EdTechs, é preciso ser mais que um bom gestor do negócio, mas perceber as especificidades do universo educacional, as necessidades dos estudantes das diferentes faixas etárias, as diferenças entre as instituições públicas e privadas e os principais desafios dos educadores. Entender essas demandas a fundo vai auxiliar os empreendedores a desenvolverem soluções realmente relevantes para o setor da educação.

leia também

Como a arquitetura está impactando o ensino na Finlândia
continuar lendo
Fique por dentro de sete tendências de empreendedorismo
continuar lendo
Educação empreendedora para todas as idades - entrevista com Heloisa de Menezes
continuar lendo
newsletter
x
área restrita
Usuário
senha