Como o esporte pode te ajudar a levar empreendedorismo à sala de aula

Embora haja rivalidade durante campeonatos, algo é consenso entre os amantes de esporte: ele une e engrandece. Muitas empresas convidam atletas para fazerem palestras às suas equipes ou treinam sua liderança com base nos preceitos esportivos por reconhecerem a proximidade que o esporte tem do empreendedorismo.

Também é unanimidade que o esporte é uma paixão das crianças e jovens. Por que não juntar os dois mundos e promover verdadeiras aulas de empreendedorismo enquanto seus alunos se divertem? Veja algumas dicas:

Preparação individual, estratégia coletiva

Uma das maiores riquezas do esporte é o espírito de coletividade. Não é a toa que nos últimos anos a palavra “time” é muito usada em empresas para designar a equipe de trabalho. Para que os melhores resultados sejam alcançados, é preciso que todos trabalhem como um time, em que cada um tenha um papel fundamental na execução da estratégia final. No esporte, a vaidade dá lugar à colaboração e à parceria. Ao mesmo tempo, os atletas devem conhecer seu corpo e seus limites, se preparando individualmente para entregar a melhor performance possível.

Ao falar sobre esporte com seus alunos, lembre-se que seu papel é o de um treinador. Você deve ser capaz de mapear as forças e fraquezas na equipe e desenhar estratégias coletivas em que cada um possa ter o seu potencial desenvolvido. Dê uma meta aos jovens e deixe que eles debatam entre si quais as formas de fazer para alcançar o melhor resultado possível. Ajude-os a entender seu papel na estratégia final e reforce a importância do autoconhecimento para o sucesso.

Transformar imprevistos em oportunidades

Quando o juiz apita ou a partida tem início, tudo, dali para frente, é inesperado. Por mais que a equipe treine jogadas ensaiadas e estude a fundo o perfil do oponente, é impossível prever o resultado final. Por isso, todo atleta deve estar preparado para lidar com as situações mais diversas que aparecerem no caminho: chuva, vento, lesões, expulsões ou, simplesmente, um adversário que apresenta uma performance melhor do que a esperada. Assim também é na vida e no mundo dos negócios.

Que tal criar uma competição entre os estudantes e, no meio da partida, inserir elementos inesperados e deixar a criatividade rolar solta? Retire um jogador, acrescente um obstáculo, dê vantagens ao time adversário e, depois da partida, converse sobre como eles se sentiram e quais maneiras usaram para driblar os imprevistos.

Equilíbrio emocional

O francês Zinedine Zidane foi eleito três vezes o melhor jogador de futebol do mundo, mas um fato marca também sua carreira como atleta: a famosa cabeçada no peito do italiano Materazzi, após ouvir uma provocação na final do mundial de 2006. O uruguaio Luiz Suárez também ficou conhecido por uma atitude controversa em partidas de futebol. Na Copa do Mundo de 2014, ele mordeu um jogador, fato que já se repetiu em outras disputas. No caso de Suárez, especialistas em psicologia do esporte já, inclusive, se pronunciaram dizendo que a reação pode ser uma incapacidade de lidar com a pressão emocional em campo.

Por outro lado, Vanderlei Cordeiro de Lima, maratonista brasileiro, foi celebrado como herói por seu espírito esportivo nas Olimpíadas de Atenas (2004). Depois de abrir vantagem contra seus adversários na disputa pela medalha de ouro, Vanderlei foi atacado por um espectador. Apesar do ocorrido, ele retornou à prova e conseguiu finalizá-la em terceiro lugar, conquistando a medalha de bronze.

Esses episódios mostram que a preparação física é fundamental, mas o equilíbrio psicológico muitas vezes é o que pode definir o resultado final de uma competição. Certamente ao propor jogos ou disputas esportivas com seus alunos, você vai se deparar com situações de conflitos, pressão, insegurança ou vaidade. Aproveite esses momentos para trabalhar alguns aspectos socioemocionais com os jovens e fazê-los refletir sobre seu comportamento em situações adversas.

E então, pronto para levar o esporte para sala de aula? Selecione vídeos de partidas históricas e procure investigar, com seus alunos, a estratégia usada em cada uma, comente episódios de fracasso e de sucesso, leve biografias de atletas para a sala de aula e, se possível, convide desportistas locais para darem depoimentos. Com certeza, os jovens vão se divertir enquanto aprendem lições valiosas de empreendedorismo e de vida.

 

leia também

7 maneiras de estimular a autonomia dos alunos
continuar lendo
Formação de professores: os desafios da profissão no contexto da educação empreendedora
continuar lendo
Perestroika: 5 lições de criatividade na educação
continuar lendo
newsletter
x
área restrita
Usuário
senha