Descubra 11 maneiras de ensinar resiliência a seus alunos

Uma palavra muito ouvida e debatida hoje em dia é resiliência, isto é, a capacidade que as pessoas têm de enfrentar as dificuldades e adversidades da vida. Essa é uma das principais características do espírito empreendedor e pode ser aprendida desde muito cedo. Por isso, é importante que educadores incentivem os alunos a desenvolver essa capacidade ainda em sala de aula. Saiba como é possível fazer isso no dia a dia:

Como ensinar resiliência na prática

  • Otimismo: mostre aos estudantes que é sempre importante ver as situações, por piores que pareçam, pelo lado positivo. Só assim é possível pensar em soluções para resolver um problema.
  • Solidariedade: as crianças precisam perceber desde cedo a importância de ajudar as outras pessoas. Entender que elas podem estar em uma situação privilegiada naquele momento, mas que outras não.
  • Amizade: fazer e ter amigos é fundamental para que a criança tenha uma vida social ativa e saudável. E é com a troca de experiência que ela poderá ver as adversidades sob outras perspectivas, além de ter em quem se apoiar quando precisar.
  • Controle emocional – passo 1: mostre ao aluno que problemas existem, mas muitas vezes são menores do que o projetado. A criança pode ter sido exposta a um elemento que causou estresse, o que desencadeou todo o processo de ansiedade. Ensine-a a identificar quais foram esses fatores para que ela responda de maneira melhor caso ocorra novamente.
  • Controle emocional – passo 2: depois de identificados os fatores que geraram estresse, incentive a criança a pensar em formas de lidar com aquilo. Quando encontrar a melhor solução, ajude-a a treinar essa habilidade.
  • Rotina: a definição de horários e atividades diárias é fundamental no combate à ansiedade, condição que é oposta à resiliência. Faça com que o aluno perceba como o dia pode ser mais produtivo se ele seguir a rotina, inclusive, para ter mais tempo para se divertir e fazer o que mais gosta.
  • Descontração: saber encontrar soluções para as adversidades da vida também tem a ver com o descanso e o prazer. Se a criança passa a maior parte do tempo apenas com preocupações, dificilmente vai conseguir encarar a vida com leveza. Incentive-a a buscar atividades extraclasse que aliviem o estresse do dia a dia.
  • Autoestima: a criança precisa desenvolver o quanto antes uma percepção positiva de si mesma para ser mais segura. Destaque as qualidades dos alunos e motive-os a desenvolvê-las sempre. O autoconhecimento é muito importante para que a resiliência seja uma realidade no dia a dia deles.
  • Fazer escolhas: se a criança começa desde cedo a ter uma noção do que pode ser feito ou não, do que lhe faz bem ou não, do que gosta ou não, tem muito mais segurança para tomar decisões importantes quando crescer. É essencial que ela tenha essa percepção para que possa agir e sair da inércia que situações difíceis possam gerar.
  • Independência: motive, na medida do possível, a independência das crianças. Procure não dar todas as respostas prontas para que elas possam refletir sobre as questões e possam elas mesmas encontrar soluções. Quanto mais seguras de si, mais independentes elas serão.
  • Aceitar as mudanças: tudo está em constante transformação, e as crianças podem ser capazes de entender isso na escola. Essa percepção é relevante porque só assim elas conseguirão aceitar melhor as adversidades sem achar que são “azaradas” ou as únicas a passar por determinada situação.

Todas essas capacidades podem ser ensinadas em sala de aula de maneira lúdica, com músicas e vídeos. Atividades em grupo também são sempre importantes porque é com a troca de experiências que os alunos desenvolvem e reforçam qualidades relacionadas à resiliência.

Que tal entender algumas maneiras de incorporar também a empatia como um dos aprendizados em sala de aula? Descubra formas de inserir esse valor, tão importante nos dias de hoje, no seu planejamento de aula.

leia também

Orientação vocacional: como preparar alunos para o trabalho do futuro
continuar lendo
Conheça o Programa Nacional de Educação Empreendedora
continuar lendo
Fab Lab e Makerspace: você sabe qual a diferença entre eles?
continuar lendo

Quer ficar sabendo de tudo antes? Assine a
newsletter e receba novidades no seu e-mail.

x
área restrita
Usuário
senha