EAD: cinco coisas que você precisa saber sobre ensino a distância 

Quem tem disciplina e vontade de aprender, mas sofre com uma rotina atribulada, já deve ter considerado o Ensino à Distância (EAD) como opção. A modalidade é cada vez mais popular entre brasileiros.

De 2007 a 2017, o número de ingressos em cursos à distância mais que triplicou. Os dados são do Censo da Educação Superior, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

Mas, por que muita gente tem optado pelo EAD? Quais são suas vantagens e como ele funciona? Se você ainda não teve experiência com algum curso a distância ou não trabalha com a modalidade em sua instituição de ensino, confira, a seguir, cinco características mais comuns da modalidade de ensino.

1- Aprendizado é a distância, mas pode ter momentos presenciais

A principal característica do EAD é oferecer ao aluno, que tenha acesso à internet, todo o material necessário para garantir seu aprendizado. Ou seja, em uma plataforma on-line são disponibilizadas videoaulas, exercícios, material de apoio e fórum de discussão.

O estudante também pode tirar dúvidas técnicas e registrar alguma questão relacionada ao funcionamento da plataforma.

Alguns cursos também oferecem atividades presenciais, como aulas práticas e encontros para tirar dúvidas. Em certas graduações, é obrigatório que haja iniciativas como essa, em aulas ou laboratórios presenciais. Diversas instituições optam por manter polos presenciais para orientar seus alunos.

2- Percurso formativo do EAD é livre, mas tem regras e prazos

Assim como qualquer curso presencial, a maioria dos cursos EAD estabelece um semestre como prazo para que o aluno aprenda determinada disciplina. Os estudantes têm liberdade para escolher como e quando irão assistir às aulas e fazer as atividades obrigatórias.

Eles precisam ter, no entanto, disciplina para cumprir a formação no tempo estabelecido. Quem não realiza as atividades dentro do prazo pode ser reprovado e repetir a matéria.

3- Avaliação é feita periodicamente

Os graduandos da modalidade de aprendizado a distância são avaliados, principalmente, ao final de cada ciclo formativo. As instituições precisam aplicar provas presenciais, obrigatoriamente, que podem ser feitas em data estabelecida previamente ou com horário marcado.

As avaliações podem conter questões abertas e de múltipla escolha. Conforme o rendimento do aluno, é possível saber se ele está apto a  seguir adiante ou deve repetir a disciplina – assim como nos modelos totalmente presenciais. Em alguns cursos, também são propostas atividades individuais ou em grupo.

4- Aluno do EAD recebe mesmo diploma do curso presencial

Instituições credenciadas pelo Ministério da Educação (MEC) emitem diplomas com a mesma validade dos recebidos por alunos presenciais. Na maioria dos casos, esse documento não especifica em qual modalidade o estudante concluiu o bacharelado, licenciatura ou curso técnico.

Por isso, não dá para saber, lendo o diploma, se o graduado cursou ensino presencial ou a distância. Mas, para isso, a faculdade ou universidade precisa oferecer aos alunos do EAD todos os conteúdos exigidos no currículo do curso presencial, com carga horária determinada.

Quer saber se uma instituição de ensino à distância é credenciada pelo MEC? Clique aqui.

5- Ensino a distância pode acontecer em alguns casos da Educação Básica

A legislação brasileira não permite o uso do EAD na Educação Básica (ensinos fundamental e médio) como principal estratégia de aprendizado. A modalidade só pode ser utilizada em situações emergenciais ou para complementar a formação de jovens.

O tema ganhou as manchetes do país no primeiro trimestre de 2018. Nessa época, o Conselho Nacional da Educação discutiu a possibilidade de oferecer 40% das aulas da Educação Básica através da modalidade a distância. A proposta divide opiniões. Há quem entenda a importância de incluir tecnologia em sala de aula e outros que defendem que a inclusão dessa modalidade pode precarizar o ensino no país.

O ensino a distância ainda compreende o e-learning e o m-learning. Para entender as diferenças fundamentais entre eles, confira nosso e-book sobre o assunto.

leia também

Conheça as 10 competências gerais da BNCC
continuar lendo
Autodidatas: como aprendem os jovens de hoje e como incentivá-los a ‘aprender a aprender’
continuar lendo
17 podcasts sobre educação e empreendedorismo
continuar lendo

Quer ficar sabendo de tudo antes? Assine a
newsletter e receba novidades no seu e-mail.

x
área restrita
Usuário
senha