EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA: "SE VOCÊ ESTÁ INSATISFEITO, CRIE A SOLUÇÃO"

“A proposta era que jovens de 11 a 13 anos solucionassem problemas educacionais do seu cotidiano construindo uma startup. Os pais e as crianças gostaram da ideia. No começo, não tínhamos ideia do que poderia acontecer, mas ao final, a experiência, além de positiva, foi gratificante e muito maior do que imaginávamos”, relata Hiro.

Empreender é muito mais do que criar o seu próprio negócio ou ter a própria empresa. A missão do empreendedorismo é desenvolver pessoas pelo empoderamento, pela atitude e mentalidade empreendedoras, para que possam encontrar soluções para os mais diversos problemas.

Pensando assim, o Startup Weekend Edu Youth, maior programa global de empreendedorismo, onde pessoas de várias áreas  se juntam para criar uma startup em um fim de semana, chegou ao Recife em sua primeira edição fora dos EUA.

Segundo Hiro Miyakawa, um dos organizadores do evento, o SW gira em torno da ideia “se você está insatisfeito, crie a solução”. E engana-se quem pensa que crianças não possuem a capacidade para lidar com um pitch – apresentação curta para “vender uma ideia” ou um projeto – e soluções inovadoras. A edição em Recife provou que é possível, sim.

“A proposta era que jovens de 11 a 13 anos solucionassem problemas educacionais do seu cotidiano construindo uma startup. Os pais e as crianças gostaram da ideia. No começo, não tínhamos ideia do que poderia acontecer, mas ao final, a experiência, além de positiva, foi gratificante e muito maior do que imaginávamos”, relata Hiro.

As crianças falaram sobre como deixar a escola mais atrativa com ideias de gincanas e brincadeiras para as aulas e também sobre o uso do celular que, muitas vezes, pode contribuir para a solução de um problema em sala de aula.

Foi a partir disso que os jovens começaram a desenvolver as suas startups. “Passaram pelo processo de descobrimento do usuário, mapa de empatia e fizeram pesquisas com o público, criaram logomarca, tiveram contato com o MVP (Produto Minimamente Viável) e se prepararam para a apresentação aos juízes. Curiosos, se descobrindo e enxergando novas possibilidades. Errando, aprendendo, e indo em frente”, explica.

leia também

Por que inserir educação empreendedora nas escolas - exemplo dos EUA
continuar lendo
5 motivos para sua edustartup apostar no ensino híbrido
continuar lendo
Reinvenção das bibliotecas - Entrevista com Elaine Pinheiro e Mariana Castro
continuar lendo
newsletter
x
área restrita
Usuário
senha