Games e o ensino de Matemática: como potencializar o aprendizado lógico

Você sabia que o uso de jogos pode aumentar o nível de aprendizado em Matemática? De fato, conseguir uma classe engajada e com bom desempenho é um grande desafio no país em que mais de 70% dos estudantes de 15 e 16 anos não conseguem resolver problemas simples que envolvem números. Os dados são de 2016, do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa).

Técnicas inovadoras de ensino podem ser fortes aliadas na resposta a esse problema. Com a gamificação, escolas brasileiras têm conseguido avançar uma média de 30% na performance dos estudantes em Matemática.

Isso porque os jogos dão liberdade ao aluno para aprender no próprio ritmo, estimulam o foco profundo, potencializam a compreensão e despertam interesse. Além disso, ajudam a trabalhar conteúdos das Ciências Exatas de forma mais leve, lúdica e criativa.

Neste post, aprenda como utilizar o poder dos jogos na sua sala de aula.

ensino de matemática

O que é gamificação

Primeiro, é importante entender o que é gamificação ou gamification. O método consiste no uso estratégico de elementos e de design de jogos fora do contexto deles, de acordo com a definição do professor da Universidade da Pennsylvania Kevin Werbach.

Mais do que realizar brincadeiras ou atividades lúdicas nas aulas, gamificar é introduzir lógicas específicas dos jogos, como níveis de dificuldade, missões e avatares.

Chamados de nativos digitais, os estudantes da geração que frequenta as escolas nos dias de hoje já nascem imersos no contexto digital (saiba mais da Geração Z). A gamificação ajuda a despertar interesse por meio da utilização de uma linguagem que lhes é familiar.

Além disso, traz benefícios como estimular a concentração intensa, a confiança de que é possível alcançar resultados grandiosos, o espírito de equipe, a empatia, a aceitação da falha e a visão estratégica.

Aliados ideais para o ensino de Matemática

De acordo com Érica Stamato, psicopedagoga e diretora-executiva da EducaCross, uma plataforma de jogos para aprendizagem de Matemática, os games são ideais para o ensino da matéria porque ajudam o aluno a desenvolver a habilidade lógica. Ele é treinado para reconhecer padrões, entender sequências, identificar o que está implícito, dentre outros.

E não é só uma disciplina que ganha, porque o pensamento lógico-matemático auxilia também a desenvolver capacidade de tomada de decisão e pensamento dedutivo, potencializa a linguagem e a escrita e influencia até mesmo na autoestima do estudante.

Como gamificar na prática

Não é obrigatório lançar mão de recursos tecnológicos e digitais para colocar a gamificação em prática, nem é necessário ter conhecimento em programação e design. Para gamificar, você só precisa desenvolver “uma postura crítica em relação ao que você conhece de jogos ou ao que experimenta ao jogar”, de acordo com artigo das pesquisadoras Thaís Andreetti, Sidnéia Egido e Luciane dos Santos.

Uma boa ideia é se aventurar a conhecer os jogos atuais mais populares entre os estudantes e extrair deles aspectos que possam ser utilizados na criação de experiências inovadoras de ensino de Matemática. Uma professora da Bahia, por exemplo, usou o jogo Angry Birds para fixar o conteúdo de funções afins e quadráticas.

Produza experiências para os alunos utilizando elementos como:

  • Pontuação por desempenho
  • Níveis de dificuldade
  • Progressão
  • Missões
  • Avatares (imagens ou ícones que representam cada jogador)
  • Coleção de recursos
  • Gráfico social (recurso gráfico que mostra contra quem o jogador está competindo e o status de cada um dentro do jogo)

Para que isso funcione, o estudante tem de acreditar no propósito final do jogo e compactuar com as suas regras, dadas antes do início da partida.

EducaCross: plataforma de games voltada para o ensino de Matemática

Um mapa de uma ilha com caminhos não lineares, cheia de missões a cumprir. É assim a cara da plataforma da EducaCross, startup destaque na StartSe EdTech Conference 2019, evento que discutiu o futuro da educação na era da internet.

É uma solução de gamificação para os anos iniciais do Ensino Fundamental, com jogos matemáticos estruturados em missões. A tecnologia ainda analisa os dados dos alunos de acordo com matrizes avaliativas, mostrando ao docente como as turmas estão progredindo.

De acordo com Érica Stamato, o grande potencial dos jogos para instrução em Matemática foi comprovado durante pesquisas realizadas em parceria com a FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo). “Tivemos um caso interessante de um aluno quando comparamos a solução de problemas de Matemática no papel e no jogo. Ele acertou apenas 33% das questões no papel, mas na plataforma obteve 93% de desempenho”, conta. Em média, o ganho de performance dos estudantes nas escolas atendidas pela startup é de 30%.

Para saber tudo sobre gamificação e entender como colocar a metodologia em prática, leia nosso Observatório sobre o assunto.

leia também

Orientação vocacional: como preparar alunos para o trabalho do futuro
continuar lendo
Conheça o Programa Nacional de Educação Empreendedora
continuar lendo
Fab Lab e Makerspace: você sabe qual a diferença entre eles?
continuar lendo

Quer ficar sabendo de tudo antes? Assine a
newsletter e receba novidades no seu e-mail.

x
área restrita
Usuário
senha