Oito dicas sobre a educação na Finlândia, que incentiva a cultura empreendedora

A Finlândia é uma das referências mundiais em igualdade educacional, alta qualificação de professores e atualização de currículo escolar. É de lá que vem oito dicas práticas que podem facilitar o trabalho em sala de aula e melhorar o aprendizado nas instituições, apesar das diferenças com o sistema educacional brasileiro.

Faça uso de projetos
Projetos elaborados por alunos buscando a solução de algum problema previamente estipulado estão ganhando protagonismo no ensino finlandês. Além de deixar para trás a aula tradicional, os projetos deixam as matérias mais interativas e faz com que os próprios alunos coloquem a “mão na massa”. Esta metodologia, de aprender além do conteúdo convencional, é chamada de “problem-based learning” e “project-based learning” (ensino baseado em problemas ou projetos).

Incentive a produção de conteúdo pelos alunos
No Brasil, geralmente, é o professor quem prepara aula, expõe o conteúdo e corrige os exercícios. A ideia aqui é dar mais espaço e protagonismo ao aluno, para ele desenvolver projetos e avaliar resultados de algo que realmente o interesse.

Repense o papel da avaliação
No método educacional tradicional, a avaliação é utilizada para medir o conhecimento do aluno sobre determinado assunto. Porém, ela deixa de fora alguns critérios como a capacidade de aplicação da aprendizagem e o empenho, por exemplo. Neste contexto, de realização de projetos, há espaço para a autoavaliação, a co-avaliação – em que os alunos avaliam uns aos outros – e, por fim, a avaliação do grupo feita pelo professor.

Tenha a tecnologia como aliada
A tecnologia não deve ser a parte central no processo de aprendizagem e não substitui de forma alguma o professor. Mas ela pode servir de ferramenta do educador e estimular a participação dos estudantes. Ao invés de proibir o uso dos celulares, os professores podem, por exemplo, usar aplicativos que estejam relacionados ao conteúdo da aula. Isso torna o processo de aprendizado mais interessante.

Desenvolva habilidades do século 21
Além das disciplinas tradicionais, as aulas podem ser mais focadas no desenvolvimento de habilidades dos alunos, não apenas na assimilação de conteúdos. Uma opção é aprimorar características como a comunicação, o pensamento crítico e o empreendedorismo, por meio da atitude empreendedora. Isso, automaticamente, inverte a postura passiva dos alunos e os coloca em um papel ativo.

Promova intervalos mais frequentes
No caso da Finlândia, as aulas são de 45 minutos, seguidas de um intervalo de 15 minutos. Essa “folga” tira a tensão dos alunos e professores e aumenta a produtividade.

Conecte os alunos ao mercado de trabalho
Conciliar os projetos feitos em sala de aula com empresas parceiras é um modo de aumentar a conexão dos alunos com o mercado de trabalho. A vantagem disso é que o aluno vê sentido prático e profissional no que está aprendendo. Além disso, esse método desenvolve habilidades práticas de organização e comunicação.

Interaja mais
Ter um corpo docente comprometido a um processo de aprendizagem que coloque o aluno em um papel protagonista é fundamental. Os professores devem estar conectados ao conceito de empoderamento e as habilidade e limitações de cada um. Para isso, é fundamental que promovam atividades de interação direta com os alunos

leia também

Saiba como transformar o TCC em ferramenta de empreendedorismo
continuar lendo
Intercâmbio profissional: como a experiência pode enriquecer a formação superior
continuar lendo
Aprender pela experiência: conheça a metodologia criada pela Perestroika
continuar lendo

Quer ficar sabendo de tudo antes? Assine a
newsletter e receba novidades no seu e-mail.

x
área restrita
Usuário
senha