5 fatos sobre o modelo de referência de educação no Canadá

A educação no Canadá tem grande destaque no mundo todo. O país é considerado um dos 10 com os melhores índices de educação, de acordo com o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa), ou Programme for International Student Assessment. Pensando em trazer para você um pouco dessa experiência, selecionamos 5 fatos sobre a educação no Canadá que podem nos ajudar a entender esse modelo de referência e nos dar caminhos possíveis para transformar a nossa educação. Confira no slide post a seguir.

1 - Currículo de ensino médio flexível e de acordo com o objetivo profissional 

Na província de Ontário, que concentra 40% da população canadense, os alunos têm, a partir dos 14 anos, a liberdade de escolher disciplinas segundo suas áreas de interesse. As matérias são distribuídas ainda em três níveis de dificuldade, tendo em vista o objetivo dos estudos: acadêmico (para os que desejam ingressar na Universidade), applied level (para os jovens que querem fazer algum curso técnico ou profissionalizante, chamados de “college”) ou locally developed (focado nos alunos que querem entrar rapidamente no mercado de trabalho).

2 - Inclusão de imigrantes

O Canadá atrai, ano após ano, um grande contingente de imigrantes, o que tem impulsionado o crescimento populacional do país nos últimos anos. Para se ter uma ideia, os imigrantes foram responsáveis por 80,5% do crescimento populacional no Canadá, somando 425.245 pessoas. Tudo isso tem impacto direto na educação: mais de um terço dos estudantes canadenses têm um ou os dois pais imigrantes. Para que essas crianças se integrem rapidamente, a igualdade é uma prioridade para a educação no Canadá, com a modificação dos programas de acordo com o perfil dos estudantes de cada região.

 

3 - Gestão descentralizada

Não há um sistema nacional de educação no Canadá. Ao contrário do Brasil, que possui o Ministério da Educação, as províncias canadenses têm autonomia para criar políticas públicas e diretrizes educacionais. Em um país com dimensões continentais, isso faz toda a diferença. Mesmo com a descentralização, as políticas de educação são rigorosas. Resultado disso é que, mesmo se cada província fosse avaliada pelo Pisa separadamente, Alberta, Quebec e British Columbia teriam destaque mundial e figurariam, junto de Cingapura e Japão, nos cinco primeiros lugares em Ciências.

 

4 -  Valorização dos professores

Os altos salários são um dos atrativos para os profissionais da educação no Canadá e impactam diretamente na qualidade do ensino. Na cidade de Toronto, a remuneração média de um professor é de R$ 20 mil, o que evita que esses profissionais se dediquem a outros empregos, podendo investir mais em capacitação e aprimoramento. Na mesma cidade, os professores recebem o equivalente a R$ 136,2 mil de aposentadoria por ano, que pode ser usufruída a partir dos 54 anos de idade.

5 - Foco na igualdade

Outro fato que impressiona na educação no Canadá é a homogeneidade no desempenho dos alunos: segundo o Pisa, a variação de notas ocasionada por diferenças socioeconômicas é de apenas 9%. Chamamos a atenção para o fato de que, em Cingapura, o percentual é de 17%, e, na França, de 20%. Mais uma vez, as políticas inclusivas de educação são responsáveis por tal resultado.

Você conhecia todos esses detalhes da educação no Canadá? Confira também estas dicas sobre educação na Finlândia.

leia também

7 formas de criar mais engajamento na educação infantil
continuar lendo
Educação 5.0 x 4.0 – entenda as diferenças entre os conceitos
continuar lendo
Conheça 4 iniciativas de Educação Empreendedora premiadas no Brasil
continuar lendo

Quer ficar sabendo de tudo antes? Assine a
newsletter e receba novidades no seu e-mail.

x
área restrita
Usuário
senha
×