Como um professor usou o audiovisual na escola para aguçar a criatividade dos alunos

Fazer da sala de aula um local aberto à criatividade e ao protagonismo dos alunos é um desafio, já que muitas vezes o professor se sente preso tanto à grande quantidade de conteúdos que precisa repassar aos jovens quanto às formas tradicionais de ensino. O uso do audiovisual na escola pode ser uma boa estratégia para isso.

Propor atividades diferentes pode trazer grandes resultados para o estudante, gerando interesse nos conteúdos e na escola, proatividade, autoestima e entendimento de que é capaz. De fato, proporcionar um ambiente em que o aluno exercite autonomia e tenha o direito de errar no processo de criar e aprender é um aspecto importante da educação empreendedora.

No Instituto Estadual de Educação Olavo Bilac, em Santa Maria (RS), o professor de Literatura e Inglês, João Pedro Wizniewsky Amaral, resolveu responder à reivindicação dos alunos do 3º ano do ensino médio de que a escola fosse um lugar onde pudessem exercitar sua criatividade.

Entendendo que o cinema é “uma forma de expressão em que alunos podem ser mais livres, atuantes, cooperativos, autônomos, criativos e proativos”, ele organizou um projeto de criação cinematográfica conjunta, que lhe rendeu o prêmio Professores do Brasil de 2018 na categoria Ensino Médio, Região Sul. Confira como o docente colocou em prática o projeto de audiovisual na escola!

Utilizando a linguagem dos alunos para fomentar a criatividade

De acordo com o relato do professor, que pode ser lido na íntegra no site do prêmio, as turmas demonstravam grande desânimo com qualquer atividade escolar e com o tempo em que permaneciam no colégio. Reclamavam que a escola era desmotivante e que ali não podiam exercer a criatividade.

Em uma sondagem inicial, João Pedro investigou que os alunos consumiam muitas produções audiovisuais, mas não possuíam conhecimento para analisá-las. Além disso, não tinham feito nenhum trabalho acadêmico do qual se orgulhavam.

Por isso, com a ajuda de roteiristas da TV Campus, vinculada à Universidade Federal de Santa Maria, e o apoio da direção da escola, o docente resolveu lançar o projeto Estúdio de Criação: o cinema como potência criadora e transformadora. O objetivo era que os alunos recebessem letramento nas linguagens audiovisuais, ressignificassem o uso de tecnologias e tivessem a liberdade de propor coletivamente curta-metragens criativos.

Audiovisual na escola: estúdio de criação

O projeto de audiovisual na escola foi estruturado de maneira similar ao formato de um roteiro, isto é, com introdução, problema, desenvolvimento, clímax e desfecho, projetado para durar 6 meses. A introdução se baseou na exibição e análise de curta-metragens e outras produções audiovisuais. Na fase do problema, os alunos deveriam criar individualmente um personagem, descrevendo suas características físicas, psicológicas e de comportamento.

Na etapa seguinte, foram apresentadas coletivamente ideias para roteiros a partir de personagens criadas. O clímax foi a escolha da história, e a última fase foi a gravação de um curta por cada sala. Foram três produções: Linhas Tortas, O Candidato e Tudo Pela Vingança.

As filmagens foram feitas dentro da própria escola, e o material para produção de figurinos e cenários foi levado de casa pelos próprios alunos. “Eles transformaram o hall do colégio em um banco; uma sala de aula virou uma cela de prisão; e a sala de jogos da educação infantil tornou-se uma tenda de um vidente”, relata o professor.

As etapas foram planejadas para terem duração total de 6 meses, mas uma greve dos professores do estado e o desejo dos alunos de realizar uma mostra de exibição dos filmes aberta à comunidade, contando até com premiação e banca de jurados, fizeram o projeto se alongar para 9 meses.

De acordo com João Pedro, à medida que iam percebendo que poderiam produzir peças de audiovisual de boa qualidade na escola , as turmas foram ficando cada vez mais engajadas, discutindo o roteiro, combinando detalhes das gravações e expondo sugestões. O trabalho em equipe foi um aprendizado marcante para todos eles. Professores de outras disciplinas disseram que os estudantes melhoraram o interesse, o convívio e o protagonismo nas classes deles também.

“Gostaria, e sei que é possível, que qualquer professor replicasse essa experiência vivida por mim em diferentes contextos. Para isso bastam vontade e planejamento. […] qualquer professor pode fazer uma produção em audiovisual com um celular, por exemplo”, conclui o professor João Pedro em seu relato. Que tal adaptar o modelo para a sua sala de aula e ver como o potencial criativo dos alunos pode ser desenvolvido a partir do audiovisual, essa linguagem tão presente no dia a dia dos jovens e dos adolescentes?

O uso de audiovisual na escola aguça a criatividade dos alunos, uma das competências essenciais no mercado de trabalho atual e que, segundo especialistas, se tornará ainda mais relevante para o trabalho do futuro. Entenda por que ela é tão importante quanto a alfabetização e aprenda 5 lições de criatividade na educação com a Perestroika. E, para continuar no tema do audiovisual na escola, conheça cinco filmes que vão mudar sua visão sobre educação.

leia também

Tendências de educação para ficar de olho em 2020
continuar lendo
Gamificação: como um professor ensina contabilidade por meio de jogos
continuar lendo
Marketplace de educação? Entenda como funciona o Amazon Ignite
continuar lendo

Quer ficar sabendo de tudo antes? Assine a
newsletter e receba novidades no seu e-mail.

x
área restrita
Usuário
senha
×