A importância da educação empreendedora

Blog A importância da educação empreendedora

Compartilhe este conteúdo
A formação integral do estudante vai muito além do aprendizado teórico das matérias básicas que compõem o currículo. É preciso que eles desenvolvam habilidades e competências a fim de que a sua formação seja completa, sendo a Educação Empreendedora a principal aliada no preparo dos jovens para o mercado de trabalho.
Quem empreende tem mais senso de controle sobre a própria vida, o que contribui para a melhora da autoestima. Por isso, educadores acreditam que cultivar a Educação Empreendedora com atividades inovadoras em sala de aula, os alunos têm a oportunidade de aprender a enfrentar situações desafiadoras e de participar de experiências que ofereçam poder de insight, além da expertise necessária para começar um negócio.

O que é Educação Empreendedora?

Tendo em vista que as dinâmicas de trabalho mudaram, as empresas estão buscando profissionais completos, que tenham habilidades que vão além do conhecimento técnico. Desse modo, é preciso que as instituições de ensino preparem os estudantes para que eles estejam aptos a encarar os desafios da atualidade.
É neste ponto que a Educação Empreendedora atua. Ela estimula o desenvolvimento de competências para que as crianças e os jovens tenham a capacidade de assumir o protagonismo da própria história, como define a especialista em Cultura Empreendedora do Sebrae, Nilma Pereira.
“A educação empreendedora visa estimular o desenvolvimento de competências para que crianças e jovens cresçam empoderadas, autoconfiantes e certas de que são capazes de realizar seus sonhos e projetos de vida.”
Os estudantes passam a ter uma jornada de estudo mais personalizada, trabalhando o aprendizado de acordo com os seus interesses, além de desenvolver habilidades socioemocionais não trabalhadas no ensino tradicional.

Qual a importância da Educação Empreendedora?

Desenvolver a mentalidade empreendedora desde cedo nos jovens faz com que cada vez mais haja adultos preparados e capazes de realizar ações transformadoras para a sociedade.
Esse fato se dá pelo desenvolvimento e pela otimização de capacidades que fazem com que os estudantes consigam direcionar todo o aprendizado teórico em atitudes que visam à realização dos seus objetivos.
Eles passam a se comunicar melhor, adquirem um senso crítico apurado e uma autoconfiança que será indispensável na fase adulta. O especialista em Educação de Harvard Tony Wagner disse, em uma entrevista concedida, em 2013, ao jornalista Thomas Loren Friedman, que essas competências e habilidades têm grande importância assim como o conhecimento acadêmico.
Desse modo, é constante o crescimento do número de escolas que estão implementando a Educação Empreendedora. Na mesma medida, também aumenta o número de professores que estão estudando e buscando fontes de aprendizado com a intenção de aplicar metodologias empreendedoras que visem ao desenvolvimento integral das turmas.

Como os professores podem se preparar para aplicar a Educação Empreendedora?

O primeiro passo será o entendimento, por parte dos membros das instituições de ensino, sobre o conceito e os benefícios que ela pode trazer à aprendizagem.
É imprescindível também que todos estejam alinhados com o novo modelo de ensino a fim de que ocorram ações de incentivo aos educadores. Tudo isso proporcionará caminhos para que o empreendedorismo possa ser aplicado em sala de aula.
A partir do momento em que a escola estiver de acordo com as premissas da Educação Empreendedora, os professores encontrarão oportunidades para trabalhar as novas metodologias, e então a Educação Empreendedora começa a ser aplicada.

Metodologias que desenvolvem competências e habilidades empreendedoras

A Educação Empreendedora requer a quebra de padrões educacionais e a inclusão de novos métodos de ensino que sigam em direção à formação integral do estudante. As novas estratégias estão presentes em diversas metodologias ativas.
Elas conseguem tanto trabalhar o protagonismo do estudante quanto aumentam o engajamento no aprendizado. Vamos conhecer detalhes sobre algumas dessas metodologias, entendendo como elas são úteis para o desenvolvimento de habilidades empreendedoras.

1. DESIGN THINKING

O Design Thinking é uma ótima metodologia para trabalhar em sala de aula, pois ela consegue desenvolver bem o protagonismo dos estudantes e também a busca ativa por soluções de problemas.

Não existe um caminho exato a ser trilhado, porém, os professores podem seguir algumas etapas visando aprimorar o aprendizado durante a resolução do problema proposto. A primeira delas é a apresentação do problema de uma forma que faça com que os estudantes se sintam curiosos e engajados a procurar respostas às questões.
A partir daí, é possível elaborar aulas que façam com que a turma traga possíveis ideias que vão solucionar o problema. O famoso brainstorming pode ser uma ótima maneira de conhecer mais sobre os estudantes, entendendo como cada membro conseguiu trazer ideias baseadas em sua vivência.
Depois de todo esse trabalho de comunicação e entendimento, é preciso colocar em prática tudo o que foi levantado. Nesta fase, todos já estarão envolvidos no projeto e com bastante energia para ver o problema resolvido. A autoconfiança, a busca ativa e o pensamento crítico são bastante desenvolvidos nessa metodologia.

2. Gamificação

A gamificação é uma das metodologias ativas que mais apresentam resultados e engajamento. A resposta a isso está no fato de que ela é aplicada com a utilização de jogos que estimulam o aprendizado.
Os educadores vão empregar a tecnologia dos games para que os estudantes consigam desenvolver algumas habilidades empreendedoras. Serão usados então alguns elementos presentes nos jogos, como a socialização, a competição saudável e a busca pela realização dos objetivos.
A cada etapa vencida, os estudantes conseguem entender o poder do trabalho em grupo, da comunicação eficaz, da persistência, além do aumento da criatividade.

3. Aprendizagem invertida

A aprendizagem invertida está em alta graças às aulas remotas necessárias no período mais delicado da pandemia. Por ser uma metodologia híbrida, os professores contarão com o uso da tecnologia para colocá-la em prática.
Os estudantes estudam todo o conteúdo em casa, por meio de ambientes virtuais. Eles mesmos farão as buscas pelo conteúdo, tendo sempre a orientação do professor. As aulas presenciais serão voltadas à apresentação do que foi aprendido, a tirar dúvidas e também a elaborar alguns exercícios referentes ao que foi aprendido em casa.
O objetivo é fazer com que os estudantes tenham papel ativo no processo de aprendizagem. Eles terão de organizar o tempo de estudo, passando a entender melhor as suas dificuldades e criando métodos que aumentem a sua produtividade.

A Educação Empreendedora e o desenvolvimento da nação

O CER acredita que a implementação da Educação Empreendedora nas escolas é uma força motora para o desenvolvimento da nação. A formação completa dos jovens faz com que se crie um futuro com pessoas engajadas em causas transformadoras e que visem ao bem da sociedade.
Desse modo, exige-se dedicação total dos professores no processo de aprendizagem, formando cada vez mais mentes empreendedoras e preparadas aos desafios atuais e também àqueles que vão surgir.
Para compreender um pouco mais, o CER disponibiliza um rico conteúdo sobre o impacto da Educação Empreendedora para o desenvolvimento das nações.
Compartilhe este conteúdo

Assine a Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades