Como melhorar o aprendizado de estudantes com dificuldades – Caso da Professora Sandra Taís

Blog Como melhorar o aprendizado de estudantes com dificuldades – Caso da Professora Sandra Taís

17/06/2021
A individualidade de cada estudante carrega também diversas dificuldades que são únicas. Cada um possui uma história, e dentro dos infinitos contextos surgem algumas questões que podem impedir o desenvolvimento do aprendizado.
A tecnologia pode ser um caminho importante para que a qualidade da educação seja aperfeiçoada. O universo digital traz inúmeras possibilidades para o aprimoramento da Educação, como nos mostra a experiência da professora Sandra Taís Amorim, que criou um blog educativo.
O projeto deu muito certo e está ajudando até aqueles estudantes que não frequentam as aulas da professora Sandra. Veja mais detalhes sobre tal iniciativa e entenda como a tecnologia pode ajudar a superar algumas barreiras educacionais.

Qual a importância de utilizar a tecnologia no aprendizado?

Seguindo a linha de pensamento do projeto desenvolvido pela professora Sandra, pode-se dizer que a Informática Pedagógica tem papel importante no engajamento do aluno.
A tecnologia faz parte do cotidiano dele, seja pelo celular, seja pelo computador, seja pelos demais elementos digitais da atualidade. É claro que é preciso ter em mente as questões sociais que impedem que muitos jovens tenham acesso à internet ou a aparelhos eletrônicos, porém, é plausível que esse contato seja feito dentro da sala de aula.
“Tecnologias aplicadas ao ensino facilitam a aprendizagem e melhoram a qualidade da educação de estudantes com diversas dificuldades. Envoltos em muitos contextos em busca de resultados na qualidade da educação.”, afirma a professora Sandra Taís Amorim.
Os recursos digitais podem ser vistos com uma extensão do aprendizado, no qual o aluno pode ter participação ativa na busca por conhecimento. A professora Sandra percebeu que a criação do blog e a implementação de conteúdo dentro dele permitiram que os estudantes tivessem evolução na criatividade, na autonomia e na concentração.
Valendo-se do desenvolvimento dessas características, é possível que o desempenho escolar, como a absorção do conteúdo, seja aprimorada, tendo reflexo positivo direto nas notas das avaliações.
“Durante este período venho analisando que as crianças que seguem as atividades e as realizam constantemente, dentro e fora da sala de aula, têm muito mais criatividade, autonomia e concentração, o que influencia diretamente no aprendizado e consequentemente nas notas”, conta a professora Sandra Taís Amorim.
É claro que todo o processo de aperfeiçoamento deve ser observado de perto, pois, como falado no início do texto, as dificuldades podem ser únicas e individuais, chegando a mais um ponto em que a tecnologia servirá de apoio.

Quais ferramentas digitais estão aptas a melhorar a qualidade da Educação?

As diversas ferramentas digitais podem e devem ser utilizadas para melhorar a qualidade da Educação. Hoje em dia é possível encontrar muitas plataformas que propiciam aos educadores o aprimoramento da didática.
Os blogs, por exemplo, são excelentes canais de comunicação em que é possível digitalizar o aprendizado. Os professores podem usá-los para criar um canal de extensão de conhecimento, colocando textos que complementem as matérias padronizadas do currículo, dando a oportunidade de o estudante ficar mais a par do que foi ensinado.
Foi exatamente esse modelo de dinâmica digital que a professora Sandra Amorim implementou em sua turma. Ela criou um blog, por meio do qual conseguiu manter uma comunicação mais ampla com os estudantes, entendendo as suas principais dificuldades e fazendo um direcionamento correto sobre as atividades que ela poderia passar a fim de que os problemas individuais relacionados à aprendizagem fossem sanados.
Sandra relata que a sua surpresa maior foi o espaço inclusivo que ela acabou desenvolvendo. Muitos estudantes que possuem dificuldades no aprendizado, como os autistas e aqueles que apresentam Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), demonstraram muito interesse nesse formato digital de ensino.
Ainda discorrendo sobre o assunto, a professora Sandra Taís Amorim, complementa: “O que mais chama minha atenção é o grande interesse dos estudantes com dificuldades de aprendizagem (autistas e TDHs) durante a realização de atividades na sala informatizada, pois, mesmo que elas sejam diversificadas e diferenciadas para aquela dificuldade, acabam colocando o aluno no mesmo patamar que os outros, enfatizando a inclusão”.
Mas é bom frisar que o blog não é o único caminho para que essa inclusão se dê. Existem outras ferramentas que também podem ser utilizadas. Conheça dois exemplos:

Podcasts

O podcast é um excelente canal de comunicação a ser trabalhado com os estudantes. Ele é uma plataforma desenvolvida para o compartilhamento de conteúdo por voz e tem grande alcance.
O trabalho pedagógico pode ser pautado na criação de um canal para a turma, no qual os estudantes e os professores terão funções específicas para a operacionalização do canal. É possível, assim como o blog, utilizar a plataforma para abordar o conhecimento passado em sala de forma mais dinâmica e interativa.

YouTube

O YouTube apresenta um acervo grande de vídeos educativos por meio dos quais o professor tem à disposição técnicas de engajamento digital. Além disso, ele abre a possibilidade de criação de um canal para a turma, em que há a possibilidade de criar vídeos e apresentações que tornam o aprendizado mais dinâmico e interativo.
É possível conferir uma lista de canais do YouTube que podem servir de inspiração e também de conteúdo a ser utilizado em sala de aula.
Então, se a escolha for pela utilização dessa plataforma de vídeos, cabe ao professor aproveitar tanto os diversos vídeos educativos já divulgados, como criar um canal próprio, do qual os estudantes também podem ser protagonistas.

O CER e a sua contribuição para a melhoria na Educação

O Centro Sebrae de Referência em Educação (CER) desenvolve um trabalho de disseminação de conteúdo e práticas  que visam à implementação de novas práticas educacionais. Ele acredita na importância dos caminhos digitais em relação aos projetos pedagógicos.
Esse trabalho pode ser destacado pelo grande incentivo dado aos educadores na busca pela aplicação de uma Educação Empreendedora, em que existem muitas alternativas viáveis e tecnológicas que objetivam o desenvolvimento de habilidades essenciais para criar cidadãos preparados a encarar um mundo cada vez mais digital.
O projeto da professora Sandra Taís Amorim é só mais um exemplo, dentre muitos outros, que utilizam as diretrizes do Empreendedorismo na Educação e estão aproveitando os benefícios que as práticas podem trazer.

Assine a Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades