5 atividades para trabalhar diversidade cultural na escola

Blog 5 atividades para trabalhar diversidade cultural na escola

Compartilhe este conteúdo
Na contemporaneidade, os debates sobre diversidade se tornaram cotidianos, e muitos temas considerados tabus hoje são frequentemente discutidos. Mas como é possível abordar essas temáticas dentro de sala de aula? Como recorrer às atividades para trabalhar diversidade cultural na escola? Qual a importância de quebrar tais preconceitos sem construir mais estigmas sociais?
É muito difícil encontrar uma maneira que atenda a todas essas questões. Entretanto, existem certas maneiras de auxiliar os estudantes a aprender sobre empatia, respeito e diversidade. Investir em diferentes atividades é reinventar as formas de ensinar e aprender.

Quais atividades para trabalhar diversidade cultural na escola?

A seguir, listamos algumas atividades que podem ser levadas à sala de aula para engajar os estudantes por meio da diversidade cultural.

1- Trabalhar a autoestima pela representatividade

É importante o trabalho da autoestima das crianças por meio da representatividade, explorando etnias em diferentes esferas. Quando elas começam a ver características de si mesmas em figuras consideradas importantes, é trabalhada a aceitação, bem como o amor-próprio. Exercícios que apresentam a história dessas pessoas de diferentes culturas são ótimos exemplos a serem realizados.

2- Dinâmicas de integração

As dinâmicas de integração são excelentes formas de introduzir um espírito de união, respeito e empatia nas crianças. Ensinar que existem diferenças e que todas devem ser respeitadas, que diversidade é igual à comunhão e à amizade.
Uma atividade que pode ser desenvolvida seria o painel da diversidade, em que os estudantes transmitem seus traços em bonecos de cartolina ou outro material. Logo em seguida, todos esses são colados de mãos dadas no painel, representando a junção e a harmonia entre grupos sociais distintos.

3- Uso de personagens da literatura infantil

Outro método que pode ser aplicado seria o uso da literatura infantil a favor da diversidade, já que nessas histórias existem grandes exemplos de representatividade. Não podemos negar que crianças ainda não entendem assuntos complexos. Assim, utilizar a literatura infantil é inteligente, já que é de fácil compreensão e comum a todos.
Felizmente, a cada dia crescem os números de contos que abordam tais temas e inserem indivíduos de diferentes caracteres. Veja exemplos de livros infantis que abordam diversidade:
O cabelo de Lelê: escrito pela Valéria Belém, esse conto apresenta as aventuras de uma menina que procura entender o porquê de o seu cabelo ser encaracolado. Após tanta ‘pesquisa’ e insistência, ela conhece suas origens e ancestralidade.
Abaré: nessa história, a autora Graça Lima narra um dia do índio da aldeia Mati e seus Abarés (amigos). Os Matis são amantes da natureza e convivem em harmonia com os animais e as árvores. Essa é uma importante representação das aldeias indígenas, muitas vezes são esquecidas em salas de aula, e que certamente valorizam o diálogo intercultural.
Malala, a menina que queria ir para escola: além de mostrar outra visão de mundo de forma facilitada às crianças, a história apresenta a importância da educação. Adriana Carranca traz a história de uma das mulheres mais influentes da atualidade, Malala Yousafzai, a mais jovem vencedora do Prêmio Nobel da Paz, em 2014. Tal obra é compreensível por crianças de todas as idades.

4- Comemorar os feriados que celebram a diversidade

Celebrar feriados e datas comemorativas ajuda a entender as diferenças de alguns grupos sociais. Por exemplo, o Dia da Consciência Negra é comemorado em 20 de novembro, e o Dia do Índio, em 19 de abril. Uma dica é desenvolver atividades de Aprendizagem Colaborativa em menção a tais datas.
Um fato interessante é que existe o Dia Mundial da Diversidade Cultural para o Diálogo e o Desenvolvimento, comemorado no dia 21 de maio. A data também pode ser celebrada com atividades voltadas a trabalhar a diversidade cultural na escola. Lembrando que todos os feriados devem ser abordados de forma delicada e inclusiva, para que não se criem mais preconceitos em relação a eles.

5- Filmes infantis e desenhos inclusivos

A utilização da Sétima Arte na luta contra os preconceitos e a favor da inclusão também é uma ótima atividade. Exemplos desses filmes e desenhos são:
Float: o curta-metragem lançado pela Pixar é baseado na história pessoal do roteirista e sua experiência com o próprio filho, autista. Esse filme aborda a inclusão de pessoas que apresentam algum transtorno psíquico.
Drufs: em uma escola, a professora passa uma lição que desafia os estudantes a escreverem sobre a família. Com base numa simples lição, todos começam a entender diferentes peculiaridades que formam as diversas famílias. Esse seria um grande aprendizado sobre as diversidades com as quais todos nós lidamos.
Shrek: um clássico do cinema infanto juvenil que traz a desconstrução de estereótipos e a aceitação do próximo. Shrek é muito importante porque apresenta várias formas de amizade e amor que ultrapassam qualquer preconceito, unindo diferentes grupos.

Os benefícios de trabalhar a diversidade cultural na escola

As atividades para trabalhar a diversidade cultural na escola trazem inúmeros benefícios tanto para a criança quanto para a sociedade. Além do conhecimento adquirido sobre diferenças culturais, a criança começa a ter um respeito muito maior em relação a culturas e pessoas diferentes dela.
Com as atividades, também exercitamos a união entre grupos sociais, a empatia e a solidariedade, no aprendizado tradicional ou na Inovação Disruptiva. Outro método a ser aplicado às atividades seria a Aprendizagem Baseada em Projetos, como aliada no Ensino On-Line.
Fortalecer os vínculos da população desde cedo é extremamente benéfico, quer para o bem pessoal, quer para o bem coletivo. Conheça o que é Empoderamento Coletivo e qual o papel da escola.
Compartilhe este conteúdo

Assine a Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades