BNCC e o desenvolvimento de competências

Blog BNCC e o desenvolvimento de competências

Compartilhe este conteúdo
A BNCC apresenta dez competências gerais que devem ser trabalhadas em cada etapa do ensino. A ideia é promover a formação completa dos estudantes, explorando um conjunto de conhecimentos, habilidades, valores e atitudes.
“A gente entende que competência é o conjunto de conhecimento, habilidades e atitudes. O conhecimento é o saber, a habilidade é o saber fazer, e a atitude é o querer fazer. A ideia é que se desenvolvam essas competências e que elas sejam transversais aos conhecimentos tradicionais que já estão inclusos na BNCC”, afirma o professor do Sebrae Eduardo Vilas Boas.
Para isso ocorrer, é preciso incluir atividades que também trabalhem as competências socioemocionais, pois, além de ampliar as qualidades pessoais, elas fazem parte das novas exigências do mercado de trabalho.
Assim, o estudante chega à vida adulta preparado aos desafios profissionais e também com bagagem para definir os seus objetivos de vida. Continue a leitura e entenda um pouco mais das competências socioemocionais e de sua importância para os jovens.

O que são competências socioemocionais?

O controle e o entendimento das emoções é uma dificuldade bastante presente na vida dos estudantes e também na dos adultos. Esse desconhecimento faz com que o aprendizado não seja eficiente, prejudicando o desenvolvimento intelectual dos jovens.
Diante disso, pode-se dizer que as competências socioemocionais se destacam tanto sobre a formação integral dos estudantes quanto sobre melhorar o engajamento no ensino. Elas estão distribuídas na BNCC, na qual o trabalho de desenvolvimento tem início desde o ensino infantil. Conforme a Base Nacional Comum Curricular, os jovens têm de ser capazes de:
  • Aprender a agir, progressivamente, com autonomia emocional, respeitando e expressando sentimentos e emoções.
  • Atuar em grupo de maneira funcional e de se mostrarem aptos a construir novas relações, com respeito à diversidade, e solidários ao outro.
  • Saber quais são e acatar as regras de convívio social.
O gerenciamento das emoções desde a infância faz com que se criem cidadãos preparados para alcançar seus objetivos, além do aumento da empatia, do autoconhecimento, da comunicação, da consciência social e do pensamento crítico. Desse modo, os jovens conseguem ter uma visão mais ampla sobre a sociedade, com bagagem para solucionar conflitos e situações adversas de forma ética e eficaz.

Como desenvolver as competências socioemocionais na escola?

O primeiro ponto a ser pensado é que as habilidades e as competências socioemocionais podem ser trabalhadas de forma multidisciplinar. Os professores de cada disciplina devem buscar caminhos a fim de que o aprendizado seja integrado, bem como ações conjuntas entre os docentes se façam presentes.
Um exemplo prático de aplicação é a realização de projetos que promovam a diversidade. As turmas terão contato com diferentes culturas e histórias, abrindo a mente às inúmeras realidades do mundo.
Fazendo uma união ao exemplo anterior, os professores têm a oportunidade de explorar a diversidade por meio de feiras. Os estudantes podem apresentar projetos distintos, ampliando o senso de responsabilidade e pertencimento da comunidade. Por fim, o autoconhecimento e o controle da emoção também devem fazer parte das atividades.
É preciso incluir ações que façam com que as turmas entendam mais a respeito dos sentimentos e aprendam a lidar com eles em situações adversas.

Qual a conexão com as competências empreendedoras?

De modo geral, a Educação Empreendedora é voltada ao desenvolvimento de habilidades que fazem com que os estudantes estejam aptos a resolver problemas com base em soluções inovadoras e que tragam benefícios a todo o grupo.
A fim de que esse trabalho de desenvolvimento ocorra, é necessário que os jovens estejam preparados tecnicamente e emocionalmente para superar os desafios impostos nas resoluções dos problemas.
Assim, é possível evidenciar que a as competências socioemocionais são fundamentais para a criação de ações empreendedoras. Aprofundando um pouco mais, pode-se perceber que o avanço da tecnologia e as transformações sociais estão exigindo profissionais que tenham conhecimentos que vão além da sua capacidade técnica.
As empresas buscam líderes e gestores capazes de se relacionar por meio de uma comunicação eficaz, que sejam criativos e que tenham a inteligência emocional desenvolvida. Pode-se entender, então, que as habilidades socioemocionais estão diretamente ligadas ao empreendedorismo.

Entrecomp e BNCC: qual a relação?

O EntreComp é conhecido como um quadro europeu que apresenta, assim como a BNCC, uma lista de quinze competências empreendedoras essenciais ao cidadão.
Por mais que possam parecer distintos, existe uma ligação entre as competências trabalhadas nos dois modelos em questão. A partir do momento em que a gente entende que um empreendedor necessita de habilidades que extrapolam a sua capacidade técnica, há a possibilidade decompreender a relação.
Trazendo para a prática, pode-se notar a relação entre a BNCC e a EntreComp no desenvolvimento do pensamento crítico e criativo. Um professor que trabalha com os estudantes o teste de hipóteses e a resolução de problemas está agindo de acordo com as competências gerais da BNCC.
Ao olhar, porém, para as competências empreendedoras da EntreComp, é possível encontrar uma que se chama “Aprender com Experiência”, deixando claro a relação existente entre elas.
“Dessa forma, o professor poderia fazer uma associação, mostrando que as atividades servem para desenvolver o pensamento científico, mas também é utilizado no mundo no empreendedorismo”, complementa o professor do Sebrae Eduardo Vilas Boas.
Mas isso não quer dizer que aprender com a experiência prática só possa ser trabalhado com a competência do pensamento crítico e criativo, ou seja, ela também pode ser trabalhada com outras competências gerais da BNCC.

Educadores também precisam desenvolver habilidades socioemocionais

O CER acredita que as competências socioemocionais são importantes para a formação integral dos estudantes, mas também acredita que os educadores devem aprimorar suas habilidades.
Dessa forma, eles conseguem trabalhar de forma eficaz as habilidades com as turmas, deixando o aprendizado ainda mais eficiente. Para entender melhor, veja um artigo completo que fala sobre como é possível os educadores desenvolverem essas habilidades.
A leitura será essencial para compreender ainda mais a importância e também como as dinâmicas em sala de aula podem ser ainda mais aprimoradas.
OBS: Pessoal, linkar neste artigo as videoaulas sobre as competências da BNCC feitas pela professora Priscila Boy, que estão no canal do Youtube do CER.
Compartilhe este conteúdo

Assine a Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades