Case de ações com Empreendedorismo Social

Blog Case de ações com Empreendedorismo Social

Compartilhe este conteúdo
Conforme pesquisas, cerca de 13 milhões de pessoas vivem abaixo da linha da pobreza, no Brasil, com uma renda de R $ 151,00 por morador. De acordo com os dados do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), colhidos em 2019, o país ocupa o 8.º lugar sem classificação de desigualdade social. Ficando atrás de países como África do Sul e Moçambique.
Para tentar minimizar os impactos causados ​​pelas diferenças sociais, grupos de pessoas e empresas entram em ação levando alimentação, higiene e moradia. Além disso, há uma contribuição com a geração de empregos e o progresso da sociedade, a cargo de ONGs e de Empreendimentos Sociais.
Atualmente, o Brasil conta com 216 mil Organizações Não Governamentais (ONGs) e cerca de 800 Empresas Sociais , sendo 28% nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. O objetivo das instituições é garantir que a comunidade tenha acesso aos direitos básicos e fundamentais da população.
Durante a leitura, você entenderá quais as diferenças entre uma ONG e um Empreendimento Social. E também conhecer alguns casos de sucesso nos quais houve uma parceria do Sebrae específico ao desenvolvimento.
Boa Leitura!

Diferenças entre ONGs e Empreendedorismo Social

As Organizações Não Governamentais , também chamadas de Terceiro Setor, são instituições sem relação com o governo. Seus literalidade da captação de recursos e também de doações, seja financeira, seja de produtos, por exemplo, relativa a alimentos e higiene.
Para a criação de uma ONG, é necessário que exista um grupo com no mínimo cinco pessoas, um objetivo e que essa seja gerida por um estatuto.
Além disso, é fundamental que haja um advogado para as devidas orientações e procedimentos. E ainda um endereço de sede, ata de fundação para registro em cartório de pessoas jurídicas e uma publicação resumida no Diário Oficial.
O Empreendedorismo Social , por sua vez, é uma empresa na qual seus produtos ou serviços contribuem para a comunidade local de baixa renda. Por exemplo, uma companhia de energia elétrica que gera eletricidade para uma população rural afastada. O objetivo de uma Empresa Social não é a geração de lucro, e sim o desenvolvimento da população.
Muhammad Yunus, economista e ganhador do Prêmio Nobel da Paz, em 2006, defende que: “Os lucros devem ser reinvestidos na empresa e características às ampliações de benefícios socioambientais”.
Entretanto, vale ressaltar que, em ambos os setores, os reforços são revertidos em novas ações que garantam direitos básicos à propriedade, como saúde, moradia, trabalho, alimentação e outros. Além disso, seus gestores tendem a ser solidários, possuem forte senso de empatia e prezam a qualidade de vida dos colaboradores.

Exemplos de ONGs e Empreendedorismo Social

Existem diversas ONG’s que desenvolvem esse tipo de trabalho de transformação pelo Empreendedorismo Social. Abaixo citamos algumas.

Ong Escola em Ação

A Escola Municipal Cláudio Figueiredo Nogueira uniu os alunos do 4.º e 5.º ano do Ensino Fundamental e criou a ONG Escola em Ação . A iniciativa começou na cidade de Varginha, localizada no sul de Minas Gerais.
Primeiramente, uma professora de ensino religioso Cristiane Juvêncio da Silva fez uma roda de leitura com os alunos sobre as desigualdades sociais. Os estudantes leram autores como Rita de Cássia Maçaneiro, Madre Teresa de Calcutá e Nelson Mandela. A partir daí, uma das alunas teve a ideia de fazer algo em prol da comunidade.
Com a ajuda de especialistas do Sebrae e a orientação do documento “Passos para a criação de uma ONG”, os estudantes colocaram em prática o que aprenderam durante as leituras.
A ONG Escola em Ação, contando com o apoio de toda a comunidade escolar, arrecadou roupas, alimentos e dinheiro, que foram enviados a associações como: Lar São Vicente de Paulo, para idosos; Associação Beneficente Levanta-te e Anda, que cuida de famílias em situação de risco, e Grupo Missão Ágape, voltado a pessoas carentes. A atitude deu tão certo que a professora pretende estender a ação a outras séries.
A assistente administrativa da Associação Beneficente Levanta-te e Anda, Mariana Melo, revela o quanto é grata pela ação da escola: “Em tempos de dificuldade, em que cada vez mais é cada um por si, cada um cuidando de suas coisas, nos deparamos com esse ato de generosidade de nossas crianças !!! Como é gratificante ver o início de uma geração que se preocupa com o outro.
Esses alimentos não alimentaram simplesmente pessoas que estavam em necessidade, mas nos ensinaram muitas coisas: que crianças tiveram empatia pelo próximo. Grata por tamanha generosidade. Deus abençoe ”.

Instituto de Mulheres Negras do Amapá

Criado em 2000, o Instituto de Mulheres Negras do Amapá contou com a ajuda do Sebrae-Amapá e com a generosidade de 25 mulheres. Além de ajudar na construção de uma sociedade justa e igualitária, o objetivo da instituição é auxiliar mulheres negras contra o racismo, o machismo e as demais práticas que agridam a moral e os valores.
Nos últimos meses, a deputada e sócia-fundadora Cristina Almeida sofreu ataques racistas pelas redes sociais por causa do seu cabelo. De acordo com a Instituição, conforme as práticas jurídicas foram obtidas contra os agressores via denúncia na delegacia local.

Ben Hero

No Piauí, os alunos do curso técnico integrado ao ensino médio de Eletrônica criaram um projeto que beneficia crianças amputadas.
Segundo o IBGE, 860 mil piauienses têm alguma deficiência deficiência; nesse número, estão incluídos os amputados que utilizam da utilização de próteses. O custo desses equipamentos é alto, aproximadamente de R $ 100 mil; por isso, estudantes da Escola Técnica desenvolveram o Ben Hero, isto é, uma prótese elétrica.
O diferencial do projeto é o uso da Internet das Coisas, que mede a contração muscular automaticamente para os diversos tipos de musculatura. A Engenharia permite que sejam identificados, em tempo real, tensão, aceleração, rotação e contração muscular para a captação e o monitoramento do uso da prótese.
Os dados recolhidos são enviados pela nuvem por meio da Microsoft Azure . Em vista disso, os médicos têm acesso à evolução do paciente por meio de relatórios e gráficos, ao passo que os usuários, pela gameterapia.
Segundo os idealizadores do projeto, o objetivo do Empreendimento Social é fornecer um tratamento de qualidade, gastando pouco: “Conseguimos desenvolver, através da manufatura aditiva, a confecção de membros artificiais with materials classificados e de baixo custo. Isso é possível tendo em vista a redução do preço dos componentes que compõem uma prótese, tornando-a um produto de baixo custo e acessível ”.
Para saber mais sobre Empreendedorismo Social, confira o nosso material gratuito. É só clicar aqui!
Compartilhe este conteúdo

Assine a Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades