Como inovar na educação? Entenda o papel do professor nesse processo

Blog Como inovar na educação? Entenda o papel do professor nesse processo

Compartilhe este conteúdo
Os professores, assim como os métodos de ensino, estão sempre em constante transformação e atualização em busca de melhorias. Diante disso, é evidente que eles precisam encontrar maneiras de como inovar na educação para que a formação do estudante fique cada vez mais integral.
O Sebrae adota o Manual de Oslo para conceitualizar o que é inovação, trazendo a seguinte definição:
“É a introdução de um bem ou serviço novo, ou significativamente melhorado, no que se refere às suas características ou usos previstos, ou ainda, à implementação de métodos ou processos de produção, distribuição, marketing ou organizacionais novos, ou significativamente melhorados.”
Diante disso, os professores precisam estar antenados às diversas formas de aplicação de novas metodologias e também em como elas podem aprimorar ainda mais os modos de aprendizado.

O que é educação inovadora?

Por mais que possa ser ótima fonte de inovação, a tecnologia não é a única base de apoio para a implementação de um ensino inovador.
A inovação deve partir do todo, no qual a instituição, juntamente com os professores, criem caminhos didáticos que fujam do padrão e promovam maior engajamento no aprendizado, como afirma o OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico):
“A inovação está relacionada à adoção de novos serviços, tecnologias, processos, competências por instituições de ensino que levem à melhora de aprendizagem, equidade e eficiência.”
Pode-se dizer então que inovar vai muito além de fazer algo novo e complexo; é preciso rever conceitos e reavaliar o papel do educador e do estudante em todo o processo de aprendizagem. Além disso, a aplicação de novas metodologias ou ações não é o fim, mas uma forma de potencializar os resultados educacionais.
Aprender a como inovar na educação é um processo de construção de um novo cenário educacional, podendo ser a base para a aplicação de um ensino empreendedor, voltado ao desenvolvimento de competências e habilidades que serão essenciais aos estudantes em toda a vida.

Como inovar na educação: papel do professor

Para inovar, é necessário ter coragem para quebrar crenças e métodos tradicionais que já não conseguem trazer resultados completos para a formação dos estudantes. Desse modo, os professores devem se preparar para explorar o novo, buscando novas metodologias a fim de que sejam aplicadas.
O professor Lucas Goullart acredita que inovar na Educação não tem segredo. É preciso ter criatividade e sair fora da caixinha. O professor poderia procurar alternativas como metodologias de ensino híbrido, por exemplo, que já trazem essa permissão, já induzem à inovação, por fugirem do tradicional.”
É necessário também que os educadores consigam ampliar a visão sobre a tecnologia, entendendo que ela apresenta diversas ferramentas que auxiliam no processo de aprendizagem.
Além disso, o educador deve explorar os espaços disponíveis da escola para criar projetos que consigam aliar os conteúdos curriculares a ações que promovam o protagonismo do estudante. Mas é fundamental ter em mente que cada instituição apresenta uma realidade, então a utilização de novas metodologias deve passar por uma fase de experimentação.
É possível utilizar esse momento para avaliar os resultados e assim realizar adaptações que concordem com o ambiente em que o ensino acontece. A criatividade, o dinamismo e o estudo serão os principais parceiros do educador.

Quais são os benefícios para o ensino e para a aprendizagem?

Os frutos da inovação serão colhidos quando a escola conseguir implementar métodos inovadores tendo o apoio dos professores. Para isso ocorrer, é muito importante que os profissionais da educação contem com espaços para a qualificação e a atualização, tendo como reflexo os seguintes benefícios:

Personalização do ensino

A personalização do ensino é uma proposta pedagógica que prioriza o aprendizado de forma individual e não padronizada. Muitas metodologias trabalham nessa questão, colocando o estudante como protagonista do seu processo educacional.
Eles terão a oportunidade de progredir no próprio ritmo, além de ter flexibilidade maior no programa de estudos.
Segundo o professor Lucas: “Precisamos ter a noção que pessoas diferentes aprendem de formas diferentes. Nesse contexto, é interessante que o professor também ensine de formas diferentes. Quando ensinamos de uma única forma, privilegiamos uma única forma de aprender.
Por isso é interessante inovar neste sentido de distribuir um pouco mais as metodologias para personalizar um pouco mais o ensino.”

Engajamento dos estudantes

Grande parte dos estudantes já nasceu em um mundo tecnológico e virtual. Dessa maneira, a educação deve falar a linguagem do jovem. A utilização de ferramentas digitais promovem um engajamento maior no aprendizado, já que as turmas começam a entender as múltiplas formas de aplicação do conteúdo aprendido, além da possibilidade de ter uma aprendizagem mais dinâmica e prazerosa.

Desenvolvimento de habilidades e competências

A BNCC apresenta dez competências que devem agir como um fio condutor de todas as etapas da aprendizagem. Ela segue os princípios éticos, políticos e estéticos para que os jovens possam ter uma formação completa.
A implementação de métodos de ensino inovadores é essencial a fim de que essas habilidades e competências sejam desenvolvidas. Os estudantes passam a ter mais autonomia, senso crítico e controle sobre a busca por seus objetivos de vida.
Além disso, é uma ótima oportunidade para trabalhar a Educação Empreendedora, pois ela caminha em conjunto com as diretrizes da Base Nacional Comum Curricular.

Metodologias inovadoras que podem ser aplicadas

Diante de tantos métodos existentes, escolher um ou mais deles será função do professor.
Ele deve avaliar as formas de aplicação e também como eles poderão ser úteis ao desenvolvimento do estudante.
As metodologias ativas são inovadoras e permitem uma aprendizagem mais enfática, efetiva e com maior apropriação do conhecimento, podendo trazer como exemplos o Ensino Híbrido e a Gamificação.
O Ensino Híbrido mescla os dois modelos de ensino: on-line e presencial. O estudante, em casa, passa a seguir um cronograma sugerido pelo professor, criando a sua rotina de estudo e também aprimorando a busca ativa pelo conhecimento. As aulas presenciais são voltadas a tirar dúvidas, a verificar como foi a rotina de estudo e também à realização de exercícios.
Durante a pandemia, esse modelo foi bastante utilizado graças às medidas de segurança, mostrando os seus benefícios, bem como as necessidades adaptativas.
A Gamificação é a utilização de jogos educativos no ensino. Os games tanto podem ser virtuais quanto presenciais, como é o caso dos jogos de tabuleiro. É uma das estratégias que mais promovem o engajamento, desenvolvendo a criatividade, autonomia, trabalho em equipe e a busca ativa pela resolução de problemas.
Outras ferramentas interessantes, indicadas pelo professor Lucas, seriam as plataformas Khan Academy, Geek, Google Classroom, além de metodologias mão na massa, por meio das quais o estudante pode construir o conhecimento.

A Educação Empreendedora e o ensino inovador

De acordo com o PNAD Educação 2019, cerca de 20% dos 50 milhões de pessoas de 14 a 29 anos no país não conseguiram completar alguma das etapas da educação básica. Como forma de contenção, muitas escolas brasileiras já estão aplicando métodos inovadores, trazendo resultados positivos em relação à evasão escolar.
A Educação Empreendedora também apresenta soluções baseadas em metodologias ativas e está pronta para trabalhar em conjunto com professores que estejam alinhados ao ensino inovador.
Para entender melhor como a inovação e o empreendedorismo podem trabalhar em conjunto, basta acessar o CER histórias. Será possível ver como os professores conseguiram mudar o panorama negativo da educação da escola, utilizando projetos inovadores.
Compartilhe este conteúdo

Assine a Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades