Conheça 6 tendências de Educação para 2021

Blog Conheça 6 tendências de Educação para 2021

Compartilhe este conteúdo
O ano de 2020 não foi fácil. Mas como é comum na História, a pandemia do novo coronavírus, que chegou ao país em março, trouxe muitos desafios, como também acelerou diversas mudanças em todos os setores da sociedade. Um dos exemplos é o comércio eletrônico. Segundo a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (Unctad), o setor cresceu, em alguns meses, o que estava previsto para crescer em cinco anos. Um salto que leva as empresas de tecnologia, os comerciantes e até os consumidores a se reinventarem em tempo recorde, adaptando-se a novas tecnologias e a uma nova mentalidade.
Com a Educação, não foi diferente. Em pouco tempo, as escolas e as universidades adotaram tecnologias para a realização das aulas on-line, passaram a fazer a gestão de documentos na nuvem e migraram a comunicação entre equipe e familiares para as redes sociais, acelerando uma transição que muitas ainda estavam resistentes a fazer. No entanto, a pandemia também escancarou as diferenças sociais e de realidades entre as escolas e provou que, sim, a tecnologia é importante, porém as relações interpessoais, o trabalho colaborativo e as competências socioemocionais são e serão ainda mais protagonistas na Educação.
Depois de um período de tantas transformações, muitas tendências de Educação para 2021 são resultado do cenário inesperado de 2020. Veja a seguir algumas delas.

Tendências de Educação para 2021

1. Transformação digital

Como não podia deixar de ser, uma das principais tendências de Educação para 2021 é que escolas, universidades e instituições de ensino façam, de vez, a transformação digital.
Segundo a pesquisa TIC Educação, o salto tecnológico na Educação é obrigatório. Em 2019, apenas 14% das escolas públicas tinham ambiente ou plataforma virtual de aprendizagem. Já em 2020, de acordo com levantamento do Instituto Unibanco e da Todos pela Educação, esse percentual avançou em 95% dos Estados brasileiros, impulsionado pelos esforços para contornar os obstáculos impostos pela pandemia.
Isso vai além da adoção de tecnologias de forma isolada, já que inclui a criação de um projeto integrado e sistêmico de contratação de soluções digitais para todos os âmbitos da atividade educacional: da atração de novos estudantes, passando pelos processos seletivos, pela criação e distribuição de conteúdo educativo, pela gestão escolar e pelo relacionamento com os jovens e os seus familiares.

2. Ensino Híbrido

Após um longo período de aulas exclusivamente remotas, muitas escolas se preparam para a retomada das atividades presenciais. Entretanto, se o ensino híbrido era considerado o futuro da Educação, agora ele é uma das principais orientações de Educação para 2021. O ano será, definitivamente, o ano de transição para modelos híbridos, que mesclam atividades on-line e off-line e combinam diversas plataformas, visando entregar o máximo de personalização, acessibilidade e mobilidade aos estudantes.

3. Personalização do ensino

Um dos trunfos de uma educação mais digital é a possibilidade de se criar atividades mais personalizadas, que variam de acordo com o interesse e se adaptam ao ritmo de aprendizagem de cada estudante.
Assim, após um ano de intensas experimentações com novas plataformas e tecnologias educativas, a personalização do ensino é uma das inclinações de Educação para 2021. Com a personalização, estudantes se tornam mais protagonistas de sua jornada de aprendizagem, sendo capazes de optar pelas metodologias e pelos suportes que mais lhes convêm. Além disso, as plataformas adaptativas oferecem feedbacks valiosos aos educadores sobre o desempenho individual de cada jovem, tornando-se ferramentas estratégicas para uma educação de mais qualidade.

4. Gamificação

Outro setor que deu um salto considerável em 2020, consagrando-se como uma das tendências de Educação para 2021, foi o de games e sua consequente inclusão nas atividades educativas. O gasto com jogos, segundo levantamento da Superdata, foi de U$ 10 bilhões, ou seja, o maior montante da História. Com isso, 46% dos apps – fora das aplicações corporativas – baixadas são games. E, claro, a Educação tem muito a ganhar com isso.
O crescimento pelo interesse em jogos não só impulsiona a criação de games educativos, mas motiva educadores a utilizar games queridinhos dos jovens – como o Minecraft – nas atividades das aulas.

5. Formação de professores

Assim como os estudantes foram expostos a novas metodologias e tecnologias em 2020, os professores foram muito desafiados em sua prática profissional. Dominar a Cultura Digital e suas linguagens passou a ser uma exigência para os educadores e também uma oportunidade de darem um passo inovador na profissão. Por isso, o investimento por parte das escolas na formação de professores deve ser um dos focos das instituições de ensino no ano que inicia.
Ademais, com a adoção dos novos currículos escolares, pautados pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC), haverá naturalmente uma demanda por formação de professores para o Ensino Baseado em Competências (EBC) e para os novos formatos propostos na BNCC, como os Itinerários Formativos.

6. Avaliação Baseada em Competências

As competências propostas na BNCC, somadas aos desafios trazidos pela pandemia, fizeram com que o Sistema de Avaliação Educacional passasse a ser questionado e revisto. Assim, a Avaliação Baseada em Competências se torna uma das tendências de Educação para 2021, após um ano em que os estudantes foram testados em muitos outros sentidos, além da aprendizagem cognitiva.
Para ler mais sobre as mudanças nas avaliações pedagógicas, convidamos você a conferir a entrevista com Tatiana Filgueiras, vice-presidente do Instituto Ayrton Senna, sobre o tema.
Compartilhe este conteúdo

Assine a Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades