Desenvolvimento da sociedade: Como a educação empreendedora impacta

Blog Desenvolvimento da sociedade: Como a educação empreendedora impacta

Compartilhe este conteúdo
Gestores públicos, o mundo está cada vez mais veloz, já que, a cada segundo, milhares e milhares de notícias chegam até nós.
Só para ter uma ideia, hoje em dia, uma criança de sete anos possui um leque de informações muito maior do que o de Nero, o antigo imperador de Roma, em toda a sua existência!
Se parar para pensar, parece loucura, não é mesmo?
Pois é! Por causa dessa velocidade de informações e de mudanças impactantes no cotidiano, um novo modelo de Educação é extremamente urgente e necessário para acompanhar essa brusca transformação no desenvolvimento da sociedade.
À vista disso, a Educação Empreendedora é parte desse novo modelo. Tal pilar tão relevante, porém, pode ser mais explorado aqui no Brasil.

A importância da Educação Empreendedora

A Educação Empreendedora para o desenvolvimento dessa sociedade com súbitas mudanças deve se iniciar, especialmente, na escola.
Primeiramente, os professores precisam desenvolver sobretudo competências empreendedoras para buscarem novas alternativos de ensino.
Dessa maneira, esse modelo antigo, que perpassa inúmeras gerações, prepara os estudantes apenas para serem funcionários ou empregados, ou seja, executores de tarefas repetidas que vêm desde a era industrial.
Diante desse cenário, os professores precisam inovar e contribuir com soluções a fim de que os estudantes consigam desenvolver a autonomia própria, isto é, tomar as próprias decisões e superar desafios constantes para obter sucesso em seus projetos de vida.
Dessa maneira, o professor enquadrado nesse novo perfil faz a Educação Empreendedora impactar, de forma positiva, na formação de novas gerações para o desenvolvimento da sociedade. Isso porque deixará os jovens aptos para o mundo que está surgindo, no qual as mudanças são cada vez mais rápidas e exigem novas competências, como capacidade de adaptação, pensamento crítico, autonomia, entre outras.

A Educação Empreendedora é essencial para que futuras empresas não fechem as portas

Embora a Educação Empreendedora ainda tenha muito espaço para avançar, muitas escolas e comunidades já estão buscando inserir nas salas de aula o desenvolvimento das competências socioemocionais relacionadas às competências empreendedoras.
Acredita-se que trazer a mentalidade empreendedora e inovadora, desde o Ensino Médio, pode fazer grande diferença na jornada desses jovens.
Os dados do relatório Global Enterpreneurship Monitor (GEM/2019) corroboram esse ponto de vista, mostrando que, em 2019, o país atingiu a maior taxa de Empreendedorismo inicial, ou melhor, nunca houve tantos brasileiros envolvidos na criação de empreendimentos.
Por conseguinte, de acordo com esse projeto em pauta, a idade dos empreendedores no Brasil está na faixa entre 18 e 34 anos. Contudo, a maior parte desse público jovem é de baixa renda, com baixo nível de escolaridade. Assim, acaba empreendendo por extrema necessidade, com pouca noção no âmbito de gestão empresarial.
Em razão desse baixo nível de conhecimento, a probabilidade de muitos negócios fecharem as portas é grande, o que é péssimo para a economia do país. Por isso, enfatiza-se que a Educação Empreendedora é a chave para essa nova geração que vem surgindo, com o intuito de sanar essa e outras dificuldades e ajudá-los no concretização de seus projetos de vida.
E, para ressaltar essa grande questão, Ana Clévia Guerreiro, analista do Sebrae Nacional, postula que está surgindo uma geração empreendedora preocupada com esse impacto econômico e que quer mudar a realidade do país.
Mas essa geração em tela não pode deixar de adquirir algumas habilidades fundamentais para que isso aconteça, mencionadas a seguir!

O mercado de trabalho atual exige Softs Skills para o sucesso do início de carreira

Gestores, já ouviram falar no termo Soft Skills? Embora a tradução do inglês seja habilidades suaves, esse termo, no contexto de uma sociedade empreendedora em alta para conquistar o mercado de trabalho, é justamente o contrário.
Ele consiste num conjunto de habilidades nada suaves que o jovem de hoje tem de ter para ingressar no tão exigido mercado de trabalho, como se mostra a seguir:
  • Inteligência Emocional: conceito da Psicologia que se traduz pela capacidade que se tem para interagir uns com os outros, conhecendo tanto as próprias emoções quanto a dos outros. Esse fator é crucial para ingressar no mercado de trabalho;
  • colaboração: saber trabalhar adequadamente em grupo;
  • flexibilidade: saber se adaptar às mudanças, que hoje ocorrem o tempo todo;
  • trabalhar sob pressão: controlar o estresse sem perder o foco;
  • comunicação eficaz: primeiramente ouvir o que o outro tem a dizer e se expressar de forma clara;
  • orientação para resultados: alcançar o resultado final de maneira mais eficiente possível;
  • liderança de equipe: saber motivar e engajar grupos.
Há um modo bem interessante de desenvolver as habilidades em questão, na opinião de Daniel Goleman, jornalista científico dos Estados Unidos, que apresenta algumas maneiras para o seu desenvolvimento ou fortalecimento:
  • aprenda a se autorregular: se você comandar suas emoções, certamente haverá de se recuperar rapidamente de alguma situação estressante; isso, nos dias de hoje, é forte aliado para se manter resiliente;
  • aprenda gerenciar seu tempo: se alguém o interromper, pergunte amigavelmente se é uma situação que pode ser resolvida em outra hora, pois lembre-se: pessoas com boas Soft Skills sabem se comunicar gentilmente;
  • crie uma cultura de feedback: o feedback é importante para conhecer os próprios pontos fortes e fracos, visto que, numa relação de equipe, aprimorar os pontos fortes e corrigir os pontos fracos é fundamental para a construção de uma liderança com a equipe bem engajada.
Em suma, essas habilidades interpessoais têm de ser bem trabalhadas.
O ideal para o desenvolvimento da sociedade mais própera, portanto, é que a escola comece desde a educação básica a ensinar crianças a desenvolverem as competências empreendedoras e principalmente comecer a ensinar as Soft Skills para focar nas necessidades do mercado de trabalho atual.
Para concluir, temos uma boa dica pra você: aproveite para conhecer o Projeto Empreende e Educa, que tem o objetivo de formar empreendedores e investidores em sala de aula.
Compartilhe este conteúdo

Assine a Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades