Educação Criativa: por que a criatividade é tão importante quanto a alfabetização?

Blog Educação Criativa: por que a criatividade é tão importante quanto a alfabetização?

Compartilhe este conteúdo
Picasso, certa vez, disse que todas as crianças nascem artistas; o problema é fazer com que permaneçam artistas. Em geral, crianças não têm medo de errar e estão dispostas a correr riscos, o que não acontece na fase adulta. Isso porque grande parte das crianças não tem acesso a uma Educação Criativa. E é levada a se conformar a padrões e formatos de um modelo de ensino moldado há séculos.
Neste post, vamos ver por que a Educação Criativa é uma das chaves para formar profissionais do futuro.  Além de descobrir qual a relação entre Criatividade e Empreendedorismo. Veja a seguir.

Afinal, o que é a Educação Criativa?

No início deste texto, usamos uma frase de Picasso que fala sobre o fato de perdemos o espírito de artistas ao longo de nossa vida. É muito importante deixar claro que, quando falamos em Educação Criativa, não queremos dizer “educação que forma artistas” especificamente. Mas, sim, de pessoas que conseguem dar asas à imaginação, focadas na resolução de problemas, que têm pensamento aberto à inovação e também são sensíveis ao mundo e às pessoas.
Esse potencial desenvolvido pela Educação Criativa pode perfeitamente ser usado para as artes. Mas também para os negócios, para empreendimentos sociais, para a política e para tantos outros fins. Mas, se não necessariamente pelo ensino das Artes, por onde começar?

Educação Criativa X medo de errar

Uma das críticas do especialista em Educação e Criatividade Ken Robinson sobre Educação Criativa é: ter um sistema de ensino que não permita o erro. Hoje, “administramos os sistemas educacionais de um jeito em que errar é a pior coisa que pode acontecer. Ou seja, estamos educando as pessoas para serem menos criativas, já que, se você não estiver preparado para errar, nunca terá a chance de ter uma ideia original”, diz ele, em uma de suas TED Talks de maior audiência.
Criar um ambiente no qual o aluno possa desempenhar seu protagonismo, em que o erro é encarado como parte do processo de aprendizado, é um dos primeiros passos para estimular a Educação Criativa. É com base nessa liberdade de ser e fazer que a criança e o jovem se sentem mais à vontade para testar, experimentar e criar.

Empreendedorismo e Criatividade: qual a relação?

Outro erro comum das pessoas ao pensar a Educação Criativa é imaginar que ela não tem relação alguma com o Empreendedorismo. Empreender é, em sua essência, ter a capacidade de apontar caminhos e criar soluções para problemas. Percebe como falamos em “criar soluções”? Ou seja, empreender é, no final das contas, trabalhar com diferentes elementos e transformá-los em algo novo e possível. Nem sempre, porém, esse foi o foco da Educação.
O sistema educacional foi criado para atender às demandas da era da industrialização. Com isso, a ideia de que disciplinas como Matemática são mais úteis para o trabalho, em comparação às Artes, por exemplo, passaram a ditar as prioridades das instituições de ensino e também a guiar a trajetória dos estudantes.
No entanto, a Educação passa por enorme transformação no mundo 4.0, em que a tecnologia muda completamente a relação entre pessoas, instituições e a própria forma como construímos o conhecimento. Em uma era cada vez mais digitalizada, a postura empreendedora se torna uma das competências mais importantes para o mercado de trabalho e isso é o que vai exatamente diferenciar os profissionais das máquinas, no futuro.
É aí que entra a criatividade. Em um mercado de trabalho em que o protagonismo e a capacidade de pensar em soluções serão o principal diferencial, pensar de forma criativa é o caminho para que os jovens se tornem profissionais do futuro. Nesse sentido, a capacidade de se relacionar, de se adaptar a mudanças, de transitar em equipes multidisciplinares, de estar aberto a diferentes culturas fará toda a diferença. “Passemos, então, a educar as crianças em sua totalidade, preparando-as para este futuro”, diz Robinson.
Mas, para que a Educação Criativa se torne uma realidade nas escolas brasileiras, é importante incrementar as ferramentas e o currículo, agregar novas metodologias ou adaptar as que já existem, abrindo espaço para um modelo de aprendizagem mais ativo e centrado no estudante.
Não é preciso fazer grandes adaptações. A Educação Criativa pode ser mais simples do que você imagina. Para guiá-lo nessa parte prática de deixar suas aulas mais divertidas, sugerimos neste post algumas maneiras de incluir mais criatividade na dinâmica escolar.
Aproveite para conhecer também algumas lições de Criatividade da Perestroika, escola de cursos livres com metodologia própria que foge aos padrões do ensino tradicional em sua formação. Entre suas estratégias, está a metodologia baseada na contextualização, no conteúdo, na forma, no engajamento emocional e na própria maneira como os cursos são estruturados.
Compartilhe este conteúdo

Assine a Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades