Efeitos da pandemia: como manter o engajamento dos estudantes nas aulas remotas

Blog Efeitos da pandemia: como manter o engajamento dos estudantes nas aulas remotas

Compartilhe este conteúdo
Atualmente, temos mais da metade do ano escolar de 2020 com aulas remotas no Brasil, sem uma previsão de quando as atividades escolares voltarão a acontecer 100% de forma presencial. Passado o período inicial de adaptação, os desafios agora são outros. Segundo uma pesquisa realizada pelo Conselho Nacional da Juventude, 30% dos estudantes pensam em abandonar a escola após a pandemia, motivados, dentre outras coisas, pela falta de vínculo com a escola, os colegas e os professores.
Como manter o engajamento dos estudantes por tanto tempo durante as aulas remotas? Essa é uma questão que professores e escolas vêm levantando no momento atual da pandemia. Neste post, falaremos um pouco mais sobre estratégias e metodologias que podem ajudar. Boa leitura!

Desafios do início da pandemia

Em meados de março, quando as aulas presenciais foram suspensas por conta da pandemia do novo coronavírus, as escolas de todo o Brasil se viram diante de um grande desafio: adaptar, quase que imediatamente, as atividades presenciais nas escolas para uma dinâmica on-line. Algumas instituições passaram algum tempo conhecendo e testando as tecnologias disponíveis, experimentando como seriam os novos horários de aula e pensando em novos modelos de avaliação das atividades escolares.
Para estudantes e professores, o início foi um período de adaptação, mas também de novidade. A ideia de estudar de casa, por meio de transmissões ao vivo ou vídeos gravados; interagir com colegas e professores pelas plataformas digitais; ter mais tempo livre e gerenciar, com mais autonomia, o tempo e as tarefas, ocuparam os primeiros meses de pandemia.
No entanto, depois de um período e no momento em que as aulas remotas passaram a entrar em uma rotina, novos desafios surgiram. O estresse emocional causado pela pandemia, o cansaço e o retorno gradual dos pais ao trabalho presencial são fatores que passam a impactar o engajamento dos estudantes nesse segundo momento de pandemia, configurando um grande desafio a professores e a gestores escolares. “É um cansaço muito psicológico, de um ano com vivências muito diferentes para os dois lados, estudantes e professores. Nunca vivemos tanto dentro de casa. Muitas vezes, o estudante não quer abrir a câmera, não porque não está assistindo à aula, mas porque tem algo acontecendo em casa que ele não quer mostrar ou tem vergonha de expor. E o professor, por outro lado, se adaptou à nova realidade, mas está cansado da falta de interação com os estudantes, da sensação de que algumas vezes está falando para ninguém. Tudo isso traz cansaço, frustração”, explica Karinne Mendes, diretora da Escola de Formação Gerencial do Sebrae em Belo Horizonte (EFG-BH).
Ainda não se sabe por quanto tempo as aulas serão realizadas exclusivamente on-line.Além disso, a expectativa é de que haja ainda um longo período de transição com um modelo híbrido, ou seja, de aulas presenciais mescladas com atividades remotas. Como manter o engajamento dos estudantes nesse cenário e garantir as condições ideais para a aprendizagem mesmo em meio a adversidades?

Criação de vínculos: engajamento dos estudantes em longo prazo

Segundo Karinne Mendes, um dos segredos para manter o engajamento dos estudantes em alta é o relacionamento. “Os adolescentes têm a necessidade de estar em grupo, de se relacionar. Os professores também. E ambos estão vivendo isso muito pouco. Mas são os vínculos que mantêm os estudantes junto da escola”, diz.
Por isso, amenizar a sensação de distância é uma das chaves para ter engajamento. Escolas que têm equipe de apoio psicológico, por exemplo, podem contatar periodicamente os jovens e seus familiares a fim de saber como eles estão se sentindo, quais têm sido seus maiores desafios e como a escola pode apoiá-los. Mas isso vale para toda a equipe da instituição de ensino. “Se o estudante tem um vínculo maior com um professor ou até mesmo com o diretor, é importante nutrir esse vínculo, não deixar que ele finde”, diz Karinne.
Além disso, apostar nas metodologias ativas é outra forma de manter o engajamento dos estudantes durante as aulas remotas. Veja a seguir algumas ideias que podem ser aplicadas.

Metodologias ativas nas aulas on-line

Ensino Baseado em Projetos

Trabalhar por projetos ajuda a turma a ter uma missão, com início, meio e fim claros, metas a serem cumpridas em torno de um objetivo comum. Por isso, apostar no Ensino Baseado em Projetos, mesmo durante o período de aulas remotas, é uma excelente ideia a contribuir com o engajamento dos estudantes.
Os projetos podem ser realizados individualmente ou em grupo, dentro de uma só disciplina ou de forma interdisciplinar.

Educação Maker

Não é porque a aprendizagem está ocorrendo de forma remota que ela não pode ser “mão na massa”. Um dos princípios da Educação Maker é a criação, não importa em qual suporte. E criar tem um grande poder de gerar mais engajamento nos estudantes.
Seja pelo TikTok, seja em projetos de robótica, de programação, seja com projetos caseiros que utilizam materiais do dia a dia, é possível criar projetos maker e transformar as aulas on-line em laboratórios de experimentação.

Jogos

Para fugir da monotonia e do cansaço, nada melhor do que brincar. Os jogos têm a capacidade de estimular a aprendizagem enquanto proporcionam momentos de diversão. Por isso, são ótimos aliados para o engajamento dos estudantes.
Buscando ajudar você na escolha, indicamos 5 jogos educativos para usar em suas aulas.

Atividades extracurriculares

Festivais on-line, rodada de debates, lives, palestras. Variar o formato das atividades que acontecem durante o período letivo também pode ajudar a manter a energia da turma lá no alto durante o período de aulas on-line. Uma ideia é deixar que os próprios estudantes sugiram atividades e se engajem, eles mesmos, na sua realização. Assim, além de uma iniciativa empreendedora, eles criam algo diferente com foco na própria aprendizagem.
Gostou das dicas para manter o engajamento dos estudantes? Conheça também algumas maneiras de usar o WhatsApp na aprendizagem, potencializando ainda mais suas aulas on-line.
Compartilhe este conteúdo

Assine a Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades