A importância da Educação Integral com Geórgia Corrêa

Blog A importância da Educação Integral com Geórgia Corrêa

11/08/2021
A Educação Integral é importante para o desenvolvimento dos estudantes em todas as dimensões. Dessa forma, a sua implementação é essencial para que os jovens possam estar preparados com vistas a encarar os desafios da atualidade.
Para falar um pouco mais sobre o assunto, fizemos uma entrevista com a educadora Georgia Corrêa. Fundadora e Diretora da Escola Teia Multicultural, Mestre pela PUC em Educação. Ela tem ampla experiência em redes de ensino que estão começando a aplicar a Educação Integral e traz uma visão real da aplicação nas escolas brasileiras.
Ademais, ela nos apresenta a sua perspectiva para o futuro da Educação Integral no Brasil. Além de mostrar os principais desafios que os professores e as escolas terão de encarar.
1 – Você poderia definir o conceito de Educação Integral, ressaltando também os seus principais objetivos?
O conceito e os principais objetivos estão bem relacionados. A Educação Integral tem como objetivo desenvolver todos os aspectos humanos, sendo eles: físico, emocional, intelectual e o expressivo, com a intenção de formar um ser humano mais equilibrado e com toda a sua potencialidade e capacidade desenvolvidas.
2 – Qual a diferença entre Educação Integral e Ensino em Tempo Integral?
Apesar de os nomes trazerem uma semelhança por conta da palavra “integral”, elas são propostas distintas. A Educação Integral visa ao desenvolvimento completo, trazendo diferentes aspectos, tais como: físico, emocional, intelectual e expressivo.
Já a Educação em Tempo Integral é quando a escola se propõe a trabalhar mais horas com o estudante, independentemente da forma que esse trabalho vai se dar. Então, é só um aumento do número de horas dentro do ambiente escolar.
É claro que existe uma relação de possibilidade, pois, quando você tem o estudante mais tempo dentro do ambiente escolar, você tem mais possibilidades para desenvolver novos trabalhos.
Dessa forma, você não precisa focar apenas no cognitivo no sentido intelectual; nessa situação,a escola pode oferecer novas atividades como dança, esporte, teatro, e isso amplia o desenvolvimento em diferentes aspectos.
Mas não é algo posto, uma vez que existem escolas que trabalham em tempo integral, porém, ficam muito tempo só no desenvolvimento intelectual. Já outras escolas, mesmo não sendo de tempo integral, preocupam-se em realizar uma Educação Integral, dentro do seu horário.
3 – Como a Educação Integral pode ajudar no desenvolvimento das Dez Competências da BNCC?
A Educação Integral e o tempo integral colaboram muito com o desenvolvimento das Competências Gerais. É claro que por si só a Educação Integral já olha para isso como ponto de partida para o desenvolvimento dos processos cognitivos com base nas competências geradas por habilidades.
Desse modo, você parte de um olhar mais amplo do ser humano, em que ele traz diversos aspectos do saber, no sentido de uma visão integral do ser humano. Ou seja, levando em consideração o físico, o emocional, o intelectual e as relações dele como um todo.
Ao mesmo tempo em que, para esse desenvolvimento integral do ser humano, desses diferentes aspectos, é preciso partir de conhecimentos mais simples. Eles podem ser no dia a dia, na resolução de problemas e de conceitos que se unem para se constituírem e formarem uma competência.
Na BNCC as Competências Gerais são um norte para tal trajetória. Assim, se você se lembrar das 10 Competências Gerais a fim de organizar a sua rotina para o desenvolvimento das diferentes áreas do conhecimento, trazendo então as habilidades, é um caminho proposto.
É claro que, quando eu falo das Competências Gerais, eu estou me referindo a uma Educação Integral. Porque, nas Competências Gerais, a gente tem diferentes aspectos para serem desenvolvidos pelo ser humano. Dessa forma, eu trago o conhecimento das competências como o repertório cultural, o pensamento científico, crítico e criativo.
São aspectos que precisam de relações. Pois eles vão além do trabalho intelectual, trazendo também o autoconhecimento, a empatia, o autocuidado, a cooperação, o olhar para as suas responsabilidades conquanto cidadão e o pensamento de um trabalho de projeto de vida.
As Competências Gerais são o caminho para o desenvolvimento de uma Educação Integral. Se tiver um tempo maior para esse desenvolvimento, é possível trabalhar muitos projetos interdisciplinares, que é a minha linha de trabalho e pesquisa. Então, valendo-se desses projetos, podem ser desenvolvidas todas as competências daquilo que vai sendo proposto.
Para que se chegue à realização dessas competências, é preciso trabalhar as habilidades. Eu acredito no tempo tranquilo para a realização de um bom trabalho pedagógico.
4 – Qual o papel dos professores e educadores na Educação Integral?
Eu acredito que a Educação se constitui dentro do ambiente escolar por todos que constituem a escola. Isso inclui desde as pessoas da limpeza, da secretaria, da parte da cantina, até professores, assistentes, professores especialistas. Dessa forma, eu considero que todos que trabalham dentro do ambiente escolar são educadores.
Eles trazem um diferente olhar para essa relação com o estudante. Apesar de trabalharmos muito pela fala e pela orientação dada pelos professores, esse ambiente escolar no qual o estudante vive, é um ambiente educativo e ele traz uma vida e a sociedade sobre o que acontece fora dos muros da escola, de uma forma micro.
Pode-se dizer que existem muitos aspectos, não só o intelectual; então todos estão envolvidos nesse processo. Mas é claro que os professores dentro da sala de aula precisam trazer as diferentes percepções do ser humano.
Hoje a gente fala muito sobre as Soft Skills ou habilidades socioemocionais, tão importantes para o futuro, para o trabalho e também para as relações necessárias que serão estabelecidas. Os estudantes vão utilizá-las quando se tornarem adultos ou jovens aprendizes, dentro do processo de desenvolvimento da sua profissionalização e também no dia a dia, com a sociedade.
Tudo isso precisa estar inserido nos estudos e também nos professores dentro da sala de aula. Não só o conteúdo frio deve estar presente, mas esses outros conteúdos importantes para nossas crianças e jovens terem um futuro melhor.
Eu vou trazer também a cultura digital, que hoje é uma realidade importante e que também aparece nas Competências Gerais da BNCC. O autoconhecimento e o autocuidado, a empatia e a cooperação são coisas que precisam aparecer dentro da sala de aula e do ambiente escolar, seja na prática, seja na teoria.
5 – Quais os principais desafios que a Educação Integral encontrará no ensino brasileiro e como superá-los?
Eu acredito que o maior desafio para a Educação Integral no Brasil e no mundo é a compreensão de que hoje não é suficiente o desenvolvimento intelectual, da memória ou a fixação de conteúdo e conhecimentos sem compreensão.
Durante muito tempo, isso foi valorizado como a única forma de inteligência. Mas é apenas um aspecto, uma vez que o ser humano é muito mais do que isso. Ter uma fixação de uma série de ideias registradas de outras pessoas na cabeça não necessariamente faz uma pessoa feliz e que consiga buscar os seus desejos de vida.
Hoje está ficando cada vez mais claro e evidente que a informação sobre qualquer coisa não é algo mais complexo, pois um computador é capaz de realizar. É preciso aprender a fazer escolhas que estão além de um sistema.
É preciso ter sensibilidade, ser criativo e ter uma percepção do todo para se fazer e chegar a determinadas escolhas e descobertas. Isso é algo que o computador não pode fazer.
A informação está aí e se pudermos tê-la registrada na mente é bom, mas tem algo que está além disso e esse além é o que nos faz seres humanos. Dentro disso, eu acho que, durante um bom tempo, não existia essa clareza de que precisávamos encontrar algo além dessas informações.
O desafio agora é ensinar os estudantes – crianças e adolescentes – a saber como chegar à resposta daquilo que eles querem saber. Então é o ‘aprender a aprender’. Mas é preciso desenvolver as Competências, que vão desde a responsabilidade com o planejamento, a compreensão do outro, o cuidado consigo mesmo, o reconhecimento das capacidades e outros.
Além disso, é importante ser mais crítico com o que eu entro em contato e buscar as minhas verdades pautadas em verdades. É preciso buscar se realizar naquilo que lhe satisfaz como ser humano, estabelecendo o nosso projeto de vida.
Isso é o que deseja a Educação Integral. Mas, ao mesmo tempo, esse ‘aprender a aprender’ é uma construção que tem um caminho árduo e difícil. Isso porque não se pode deixar todo o desenvolvimento intelectual para conseguir fazer todas essas escolhas.
Então não é um em detrimento do outro, mas uma somatória. Eu acho que essa compreensão sobre a somatória é que precisa estar clara. Ninguém vai deixar de saber sobre os conhecimentos adquiridos ao longo da história, porém, é preciso entender que isso é só uma base de dados e que a gente precisa ir além disso.
Não é fácil ir além, visto que é preciso ter uma boa formação de educadores, em que eles tenham o seu trabalho reconhecido para que possam se dedicar a todos esses conhecimentos.
É preciso ter uma escola de excelente qualidade para todas as crianças, para que elas tenham essa compreensão do que eu estou falando.
Para isso acontecer, é necessário ter comida, tranquilidade e tempo para estudar. A criança não trabalha e precisa estar dentro da escola, tem de ter um professor bem informado, um material de estudo e uma estrutura de pesquisa. Sabemos que são muitos os desafios aqui no Brasil, pois a realidade de um lugar não é a mesma de outro.
Eu acredito que muitos materiais caros e de difícil acesso não são imprescindíveis. Pois eu acho que a gente pode fazer excelentes escolas com materiais muito simples, se a gente tiver condição de formar muito bem os nossos educadores. É preciso também que tenha um ambiente saudável, com alegria e curiosidade.
Esses são os desafios, e apesar de muitos, acho que a gente vai chegar lá. Eu sinto que, desde que comecei a atuar em redes inovadoras, buscando novas formas de fazer educação, as coisas mudaram bastante, porém, menos do que eu gostaria, mas mudaram.
Eu acho que estamos em um momento de transformação no mundo e eu confio e conto que a gente continue esse movimento para que esse futuro da Educação chegue o mais rápido possível.

A Educação Integral exige preparo e dedicação de todos

É evidente que a Educação Integral fará com que educadores, estudantes e demais membros das instituições tenham de estar prontos para enfrentar os desafios. Mas todo o esforço trará recompensas satisfatórias para o futuro dos jovens e também da Educação.
O presente é o momento ideal para que toda essa preparação seja feita. Dessa forma,é preciso que as escolas comecem a dar os primeiros passos, entendendo o seu contexto e buscando formas viáveis de implementar a Educação Integral.
A primeira etapa da jornada é o conhecimento. Então, fica a leitura de um artigo que vai aumentar ainda mais o entendimento sobre o assunto. O texto apresenta cinco autores fundamentais para que todos entendam a importância do desenvolvimento de todos os aspectos humanos.

Assine a Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades