Metaverso na educação: quais as possibilidades?

Blog Metaverso na educação: quais as possibilidades?

16/03/2022
Imagine deixar os limites da escola e levar os alunos para uma aula de História no Egito, de Artes no Museu do Louvre, em Paris, ou de Ciências, diretamente do espaço? Essas são algumas das possibilidades que podem deixar de ser um sonho de poucos para a possibilidade de muitos. Como? Com o metaverso. E ele não para por aí. O Metaverso na educação também é tendência. 
O termo saiu do universo da ficção científica (e da pequena parcela mais abastada da população) e ganhou a atenção do grande público, quando, em outubro de 2021, o Facebook anunciou o investimento de 150 milhões de dólares na capacitação de desenvolvedores e designers para atuarem com foco na realidade aumentada que possibilitará o metaverso – ​​e esse valor é apenas uma parte do que a tecnologia movimentará. Segundo previsões da Bloomberg Intelligence, será um montante de cerca de 800 bilhões de dólares até 2024. Para o CEO da Meta (novo nome da empresa Facebook), Mark Zuckerberg, em breve poderemos habitar mais um universo, dessa vez nos baseando totalmente na tecnologia, mas com todas as experiências que podemos ter em relação ao mundo real.
No evento de lançamento, Zuckerberg afirmou algo que deixa bem claro como a educação não ficará de fora dessa tecnologia: “Estou otimista sobre o trabalho no Metaverso. Muitos migraram para um modelo remoto […], mas o híbrido vai ser complexo, então dar as ferramentas para que todos possam estar presentes, não importa onde estejam, vai ser transformador”.

Entendendo a tecnologia

Para compreender exatamente o que é o metaverso, é importante conhecer os termos “realidade virtual” e “realidade aumentada” e o que ambos significam. Resumidamente, a primeira – “realidade virtual” – cria um ambiente totalmente novo e digital, como já se dá com alguns tipos de jogos (o Minecraft, por exemplo), ao passo que a “realidade aumentada” inclui componentes digitais em nossa realidade (aqueles apps de lojas de móveis que conseguem, através da tela do celular, projetar o móvel na sua sala de estar).
Agora que esses termos ficaram claros, vamos ao metaverso. Ele é a junção da realidade aumentada com a virtual, criando um mundo que combina o mundo real e o digital, proporcionando experiências variadas e o mais próximo possível da nossa vida (podemos ir ao shopping, à aula, jantar com os amigos ou fazer uma viagem, por exemplo), mas onde e como quisermos.
Algumas ferramentas podem ser necessárias para que isso seja possível, entre elas o uso de óculos de realidade aumentada, luvas sensoriais e até mesmo uma roupa especial, que permita interagir com o espaço de forma mais completa.
No metaverso, viveremos através de avatares (seu “bonequinho” virtual). As pessoas poderão trabalhar, comprar, divertir-se, aprender, competir, colaborar e muito mais. As possibilidades são tantas que já se discute como será a legislação que incidirá nesses espaços, além de haver uma grande corrida das grandes empresas de tecnologia do mundo para a criação do próprio metaverso.
Embora o metaverso do Facebook (Meta) ainda não seja uma realidade, já é possível compreender seus efeitos em nossa vida.

Possibilidades do metaverso para a educação

Ainda que haja muito a ser descoberto e criado quando o assunto é metaverso, já sabemos de algumas oportunidades que docentes, alunos e instituições terão. Abaixo listamos quatro delas. Confira!

Expandir o aprendizado

Com o uso do metaverso na educação, o processo de ensino-aprendizagem ganha muitas novas possibilidades. A experiência de docentes e alunos ultrapassará páginas de livros e telas de celulares e de computadores para ganhar o mundo.
Crianças e adolescentes já estão familiarizados com a tecnologia e certamente vão explorar o “novo universo” para aumentar seu aprendizado a partir de experiências sensorial e digital. Imagine por um minuto se fosse possível levar a turma até o fundo do mar a fim de explicar-lhe melhor os conceitos de meio ambiente, natureza, biologia e tecnologia? Incrível, não?

Ensino híbrido totalmente transformador

Como sempre batemos na tecla aqui neste blog, o ensino híbrido é uma realidade. E, mesmo que tenha ganhado força como uma junção de aulas virtuais e presenciais, esse tipo de ensino é muito mais do que isso. Com a metodologia, é possível oferecer um ensino mais completo, dinâmico e personalizado, atraindo a atenção dos estudantes e engajando-os na busca, por serem não apenas consumidores, mas também produtores de conhecimento.
E, se estamos em constante busca por desenvolver, aperfeiçoar e popularizar ferramentas de ensino híbrido, o metaverso chega como algo no qual investir. Claro que nem toda instituição e família terá condições de acessar o metaverso com todas as suas potencialidades muito em breve, mas, quando isso for uma realidade, as aulas ganharão uma nova dinâmica: o ensino por meio da experiência, permitindo que alunos colaborem entre si, descubram o mundo e explorem seus interesses, tudo isso acompanhado do professor, dos colegas e em cenários variados.
Imagine a seguinte situação: um trabalho escolar sobre planetas. O aluno abre o livro didático na página indicada pelo professor, coloca os óculos e imediatamente está na Via Láctea, vendo os astros e, ao lado de cada um deles, haverá um box com as informações mais importantes. Ele poderá ver tudo isso com os próprios olhos ao desviar o olhar para o planeta de interesse. Legal, né? O ensino híbrido ganhará novas proporções!

Ensino personalizado

Já que o metaverso é tão amplo, os estudantes terão a autonomia de buscar aprender mais os temas que são de interesse, extrapolando aquilo que o professor exigiu em sala de aula. Dessa forma, os alunos são incentivados a desenvolver a curiosidade, a exploração, a experimentação e, claro, a ser protagonistas no seu aprendizado, podendo até colaborar com o ensino dos colegas.

Fim de limites geográficos

Assim como mencionamos, por meio do metaverso será possível ir a qualquer lugar que a dinâmica da aula pedir. Mas não só. Alunos gripados poderão assistir à aula pelo metaverso, como se estivessem ao lado de seus colegas. Os pais que não moram na mesma cidade que os filhos terão a possibilidade de acompanhar eventos escolares ou mesmo participar de reuniões com uma forte sensação de proximidade e calor humano. E isso é só uma parte. Ainda há muito a descobrir.

Próximos passos para sua escola

Mesmo que a sua instituição ainda não tenha condições de adotar a realidade aumentada ou a realidade virtual em sala de aula, é preciso estar preparado. Afinal, tais tecnologias tendem a ficar cada vez mais acessíveis, para que mais e mais pessoas possam utilizá-las.
E como se preparar? A resposta é simples: mediante atualização contínua.
Quando a pandemia exigiu que todos ficassem em casa e adaptassem o ensino-aprendizagem, sem planejamento prévio, foi necessário correr atrás de uma solução e conhecer ferramentas, testar possibilidades e fazer cursos, certo? Agora não é diferente. O ensino híbrido é uma realidade, e cada vez mais opções surgem para transformar a experiência, garantindo extensos benefícios aos alunos.
Por isso, gestores e docentes devem investir em sua atualização e formação, enquanto gestores públicos terão importante papel na busca por investimento a fim de que as escolas tenham acesso à tecnologia.
Estar familiarizado com o que há de novo na educação é uma maneira de garantir que os estudantes sejam sempre o foco do ensino e que tenham a chance de adquirir uma formação abrangente e de qualidade.
Quer saber mais sobre ferramentas que professores podem usar no ensino híbrido? Confira nosso infográfico sobre o assunto. Aproveite também para refletir sobre o metaverso na Educação Empreendedora. Para isso, estamos sempre disponíveis!

Assine a Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades