Oficinas pedagógicas: o que são e quais os benefícios

Blog Oficinas pedagógicas: o que são e quais os benefícios

25/07/2022

As oficinas pedagógicas têm um papel muito importante na formação dos estudantes. Isso se deve, em especial, ao fato de que ela proporciona a vivência propriamente dita de determinada situação – fugindo um pouco do modelo tradicional do processo de ensino-aprendizagem, que leva em conta majoritariamente o aspecto cognitivo. Vamos entender melhor o que são, quais os seus benefícios e um passo a passo para planejá-las? Acompanhe!

O que são as oficinas pedagógicas?

Antes de trazermos a definição, precisamos ter conhecimento do que a ciência diz acerca do aprendizado. A pirâmide da aprendizagem do psiquiatra americano William Glasser é famosa e conhecida por trazer, em formato de pirâmide, as maneiras mais eficazes do aprendizado, da seguinte forma:

[aprendemos] 10% quando lemos

[aprendemos] 20% quando ouvimos

[aprendemos] 30% quando observamos

[aprendemos] 50% quando vemos e ouvimos

[aprendemos] 70% quando discutimos com outros

[aprendemos] 80% quando fazemos

[aprendemos] 95% quando ensinamos aos outros

Tendo essa pirâmide em mente, vamos à definição. As oficinas pedagógicas nada mais são do que um modelo de processo educativo: trata-se de atividades práticas e coletivas que promovem, com base em um tema, um momento de interação em grupo – por meio de situações concretas e significativas, desenvolvendo diferentes habilidades e conhecimentos. Os temas podem variar e ir de uma ponta a outra: música, jogos, brincadeiras, contação de histórias,  gastronomia, artes, esportes e por aí vai.

Quando pensamos nesse conceito, é fácil fazer a relação com a base da pirâmide de Glasser, certo? Já que, nas oficinas, além de discutir com os outros (eficácia de aprendizagem de 70%) e fazer (eficácia de 80%), a troca em grupo permite ensinar aos outros (eficácia de 95%).

Importância e benefícios:

O artigo “Oficinas de Aprendizagem: um olhar interdisciplinar sobre dificuldades na aquisição da linguagem escrita no contexto escolar“, publicado na Feevale e redigido por Virginia Dornelles Baum e Clarice Lehnen Wolff, descreve a aplicação de oficinas pelas autoras para os anos iniciais do Ensino Fundamental no Colégio de Aplicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFGRS). O modelo foi proposto valendo-se do diagnóstico de dificuldade de crianças em áreas específicas, como a organização textual e o domínio ortográfico. O texto explica como as oficinas pedagógicas foram desenvolvidas e revelam o seu sucesso. Por fim, nas considerações finais, são compiladas a importância e os benefícios da prática. Confira alguns trechos:

  • Conceber uma escola preocupada com o desenvolvimento das aprendizagens escolares dos alunos e que busca colaborar para formação integral dos sujeitos deve perceber as relações de ensino, de aprendizagem e de vinculação sob o um ponto de vista interdisciplinar e relacional, valorizando a interação dos conhecimentos e potencialidades de cada um em benefício do progresso das aprendizagens dos alunos e da autoformação docente e do corpo técnico […] Daí a necessidade de cada sujeito da relação comprometer-se com o todo com vistas à superação dos desafios impostos pela diversidade de processos de aprendizagem […]
  • […] No caso das Oficinas de Aprendizagem, há a associação de diferentes áreas de conhecimento […] com vista a dar conta de um determinado objetivo: intervir nas defasagens escolares relacionadas à aquisição da linguagem escrita e da leitura em escolares dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. Durante o planejamento e a execução da proposta, percebe-se a presença de todos os conhecimentos […] ao mesmo tempo em que todos os profissionais envolvidos se abrem para tais conhecimentos e os aplicam em suas práticas junto aos alunos, constituindo redes de suporte ao ensino […]
  • […] A partir dessas duas propostas, foi possível concluir que um trabalho que une, de forma interdisciplinar, olhares sob o mesmo aspecto da escolarização, potencializa a constituição de redes mais consistentes e efetivas de suporte, colaborando com o processo de inclusão da diversidade na escola regular.

Fonte: https://www.feevale.br/Comum/midias/6d257338-fd01-4c02-b6c5-097bf9bfeac0/Oficinas%20de%20aprendizagem%20um%20olhar%20interdisciplinar%20sobre%20dificuldades%20na%20aquisi%C3%A7%C3%A3o%20da%20linguagem%20escrita%20no%20contexto%20escolar.pdf

Caso tenha interesse em ler os detalhes do desenvolvimento do projeto, desde a sua criação à execução e aos resultados, veja o artigo na íntegra clicando aqui.

Como planejar uma oficina pedagógica?

Preparamos um passo a passo que pode guiar o planejamento de uma oficina pedagógica. Eles podem ser adaptados de acordo com a realidade de cada instituição escolar e faixas etárias, claro, mas seguir esse escopo faz a diferença para uma estrutura eficiente. Vamos lá!

#01 Tenha um objetivo

Antes de qualquer coisa, defina um objetivo. O que motiva o desenvolvimento dessa oficina? Transmitir um novo aprendizado? Apresentar plataformas? Orientar sobre técnicas? As possibilidades são infinitas, mas o mais importante é ter esse objetivo bem definido.

#02 Defina os participantes

Se você é um educador e quer ministrar uma oficina pedagógica exclusivamente para uma turma, esse passo está fácil de ser concluído. Mas a situação pode ser diferente e abranger estudantes de outras salas – nesse caso, é importante limitar a quantidade e entender como os estudantes serão selecionados.

#03 Estabeleça a carga horária

É fundamental que a oficina seja realizada dentro da previsão estabelecida. Se tem um tempo X disponível, pense em atividades que poderão ser executadas com eficiência nesse tempo. Caso contrário, os estudantes podem sair com mais dúvidas.

#04 Desenhe as atividades que serão realizadas

Ainda que esse passo pareça óbvio, é fundamental desenhar as atividades a serem realizadas na oficina pedagógica, eliminando aquelas que podem fazer o tempo ser desperdiçado.

Por ser uma iniciativa majoritariamente prática, como o nome “oficina” sugere, é fundamental que as atividades sejam envolventes e instigantes o suficiente para captar a atenção dos participantes.

Tendo as atividades definidas, é relevante sinalizar os recursos e as ferramentas necessários para cumpri-las. É necessário também fazer uma revisão criteriosa desse item, já que a falta das ferramentas pode comprometer todo o andamento da oficina, a depender do tema.

#05 Hora de finalizar!

Depois de terminar a oficina pedagógica, é o momento de provocar a reflexão. O que os estudantes não sabiam e passaram a saber depois de participar da ação? Sugira uma comparação entre esse antes e depois. Isso pode ser feito de formas diferentes: desde uma roda de conversa até a elaboração de um texto ou de uma peça audiovisual, por exemplo. Vale soltar a criatividade. O importante é entender o conhecimento adquirido e a eficiência da oficina!

Ah! Vale dizer que este post foi feito pensando em oficinas pedagógicas com estudantes e docentes, mas ele também pode ser útil se envolver outros membros da comunidade escolar, como os gestores educacionais, ou mesmo entre os próprios professores.

E, por aí, esse conteúdo foi útil para apoiar a sua jornada com as oficinas pedagógicas? Esperamos que sim! Conte com o CER e acompanhe o nosso portal a fim de ficar por dentro das tendências do mundo da educação.

Assine a Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades