PiCode Education – Inserir sua escola no mundo da tecnologia Incentivar a aprendizagem baseada em projetos

Blog PiCode Education – Inserir sua escola no mundo da tecnologia Incentivar a aprendizagem baseada em projetos

16/07/2022

A transformação digital das escolas foi acelerada com a pandemia. Mas, muito mais do que possibilitar acessos à internet ou utilizar recursos tecnológicos durante as aulas, é necessário ensinar os estudantes a ser mais protagonistas com o uso desses recursos.

Ser protagonista excederia a atitude de um mero usuário; é entender como as tecnologias funcionam, propor soluções e ser criativo.

Para discutir sobre o assunto, convidamos o Lucas Piovani, da PiCode Education – que propõe soluções educacionais diversas, aproveitando o conteúdo da grade curricular, a fim de trabalhar com habilidades relacionadas à robótica, por meio de uma plataforma interativa online.

1 – Quais os benefícios de trabalhar com tecnologia e robótica nas escolas?

As aulas de robótica e de tecnologia rompem com as metodologias das aulas tradicionais, permitindo um trabalho de habilidades socioemocionais – como novas formas de trabalho em grupo – e técnicas como o raciocínio lógico. É, portanto, um momento de práticas didáticas bastante singulares se comparadas com as aulas tradicionais.

Hoje, os alunos nascem no meio da tecnologia e são chamados de “nativos digitais”; então a escola precisa fazer parte dessa realidade do aluno. Por isso, o uso da tecnologia em sala de aula é muito importante, à medida que gera uma conexão com o que o aluno já vivencia.

É fundamental destacar que trabalhar com robótica ou com tecnologia nas escolas não tem como objetivo fazer com que o aluno se torne um engenheiro de robótica no futuro ou um profissional nessa área. O intuito, porém, é trabalhar habilidades que futuramente serão requeridas nas carreiras, quaisquer que sejam as escolhas. Não devemos nos esquecer que as profissões do futuro ainda são desconhecidas, e hoje temos carreiras que até anos atrás nós não prevíamos.

2 – Como a escola pode se preparar para um futuro de transformação digital?

O primeiro passo é a escola entender as mudanças tecnológicas e o cenário da educação. Com a pandemia, houve um movimento forçado de transformação digital, mas agora é o momento de entender o cenário de grandes mudanças.

Podem ser feitas reflexões como:

Qual o papel do aluno nesse processo? Como o meu público de alunos reage ao processo de tecnologia? O que está ocorrendo no mundo?

Depois desse processo de análise, pode fazer sentido contratar soluções educacionais.

3 – Quais as habilidades são desenvolvidas em projetos que envolvem robótica?

As habilidades a serem desenvolvidas dependem da forma como essas atividades robóticas são entendidas e aplicadas por cada instituição. Na PicCode Education, entendemos a robótica como uma ferramenta de aprendizagem de disciplinas que já se encontram na grade curricular. Assim, posso ensinar história por meio da robótica e, em conjunto, trabalhar habilidades como raciocínio lógico, pensamento criativo, liderança, pensamento crítico e educação financeira. Portanto, as aulas de robótica permitem o desenvolvimento de habilidades que normalmente não são trabalhadas nas aulas regulares.

4 – Podemos dizer que há uma relação entre aulas de robótica e as profissões do futuro?

Sem dúvida existe essa relação, graças às habilidades desenvolvidas por meio do trabalho com robótica.

Caso, no futuro, o estudante opte por seguir carreiras que envolvam programação, eletrônica e robótica, com certeza ter estudado esse assunto desde a infância vai ajudá-lo.

Deve-se ressaltar que já existem inúmeros estudos que comprovam que as disciplinas de robótica permitem um desenvolvimento mais apurado do raciocínio lógico. Na prática, isso faz com que no futuro esse estudante tenha mais facilidade e aptidão para resolver problemas, de quaisquer áreas do conhecimento. Esse é o principal ganho cognitivo.

5 – Como a escola pode avaliar um projeto mais tecnológico?

Cada escola tem um perfil, visto que depende de alguns fatores como adequação do corpo docente, tempo disponível, etc.. É necessário avaliar as particularidades de cada estabelecimento – qual a intenção da escola, como o público vai reagir, quais os recursos disponíveis, qual vai ser o impacto no meu corpo docente.

6 – O que é a Aprendizagem Baseada em Projetos? E por que se tem falado tanto sobre esse tipo de aprendizagem? Quais são as suas vantagens?

A Aprendizagem Baseada em Projetos (ABP), como o nome diz, é um processo em que o estudante aprende ao criar e ao desenvolver algo. Diferentemente dos processos tradicionais, em que o estudante está em uma postura mais passiva, recebendo informações, em que há sempre alguém falando e transmitindo conhecimento.

Com esse modelo de aprendizagem, o estudante assume uma postura mais ativa, em busca do conhecimento, sem depender de uma pessoa para ensinar. De forma que, o estudante busca uma solução para um problema que lhe foi dado. E esse processo exige outras habilidades, que usualmente não são desenvolvidas com as metodologias tradicionais.

O processo de assimilação do conteúdo também é bastante diferente, já que o aluno não vai ouvir, ler, com  a intenção de responder a um questionário, mas com o objetivo de solucionar algo. Isso exige outras habilidades não só teóricas, mas também práticas. Uma das principais vantagens é o aumento do engajamento dos estudantes, principalmente em tempos de desatenção, falta de interesse e dificuldade de se concentrar por longos períodos em aulas expositivas.

8- Como você acha que esse trabalho agrega em relação à Educação Empreendedora?

Posso falar sobre Educação Empreendedora com a propriedade de quem hoje é empreendedor. Primeiramente, é importante ressaltar que empreender abrange múltiplas áreas, aspectos e atividades. E, na prática, é exigido um rol de habilidades que usualmente não aprendemos na escola ou com as metodologias tradicionais de ensino –  como liderança, cumprimento de prazos, gestão de recursos, comunicação assertiva, habilidade de negociar e vender uma ideia.

As disciplinas de robótica, por sua vez, permitem o desenvolvimento de várias dessas habilidades, tanto técnicas quanto socioemocionais, e se propõem a – assim como as atividades de empreendedorismo – resolver problemas e criar soluções. Esse é o principal ponto de conexão entre as aulas de robótica e a Educação Empreendedora. Espero que a escola seja capaz de fomentar essas práticas didáticas e de formar pessoas cada vez mais aptas a empreender no futuro.

BIO:

Lucas Piovani, 24 ano é engenheiro mecatrônico em formação, técnico em Mecatrônica, técnico em Automação Industrial, professor e coordenador de projetos educacionais, empresário – fundador da PiCode Education, maker de carteirinha, campeão mundial de robótica (EUA) e piloto de drone nas horas vagas!

Assine a Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades