Rotinas Criativas e sua possível relação com o desenvolvimento de competências empreendedoras

Blog Rotinas Criativas e sua possível relação com o desenvolvimento de competências empreendedoras

Compartilhe este conteúdo
No cenário atual, frente à modernidade tão veloz a que a sociedade está submetida, todos se encontram numa situação de planejar uma rotina criativa para atender a essa grande demanda de tarefas diárias.
Do mesmo modo, no ambiente educacional, isso não é diferente. O professor também tem que elaborar uma rotina criativa para a sua sala de aula, atrelada à educação empreendedora. Esta, por sua vez, requer conteúdos com metodologias inovadoras (ativas) como, por exemplo, tirar o estudante da condição de expectador de conteúdos e colocá-lo como protagonista do seu aprendizado.
Essa renovação, portanto, não é simples, pois o novo paradigma, que aos poucos está rompendo com a educação tradicional, exige do professor mudanças no planejamento de aulas. Isso posto, mediante rapidez em que se deve tomar decisões aos problemas, o educador pode estabelecer a rotina em questão para lidar com o processo de ensino-aprendizagem com eficiência.

O Que Significa Rotina Criativa?

De acordo com Profissas, em seu artigo “Hábitos de gênios: você sabe o que é rotina criativa?” postula que o vocábulo criatividade é mais audacioso do que produtividade. Esta, por seu turno, atrela-se ao ato de simplesmente fazer algo, já aquela é de fato, criar.
Dessa maneira, é mais do que apenas produzir e criar algo é, sobretudo, destacar-se, inovar-se, ou seja, ser referência em sua área de atuação. Embora seja relacionada à classe artística, qualquer pessoa que inove, reinvente ou crie algo está sendo criativa.
Algumas personalidades famosas por sua genialidade, como Eric Clapton, Einstein, Steve Jobs e Da Vinci, possuíam algo em comum: adeptos à rotina. Esta, assim, nada mais é que organização, priorizando a produtividade, a otimização do tempo e a criatividade.
Isso posto, uma agenda bagunçada, sem horários estipulados para cada tarefa diária, conforme o Profissas, pode levar uma pessoa ao esgotamento máximo, propiciando até que essa desenvolva a síndrome de burnout ou “síndrome do esgotamento profissional”. Em contrapartida, com a rotina, é possível ter maior aproveitamento do dia, com horário para refeições, trabalho, atividades físicas e lazer.
O sociólogo italiano Domenico De Masi cunhou o termo “ócio criativo”, que significa a união entre o lazer e o estudo. Dessa forma, o termo determina aquele tempo em que você pode se dedicar a fazer algo prazeroso e, simultaneamente, estuda, tendo insights para projetos futuros.
Esse ócio, em vista disso, adequa-se, particularmente, à profissão do professor porque muitas ideias surgem durante o descanso.
Posto isso, eis alguns exemplos de ócio criativo:
  • ouvir uma música ou um podcast e ler um livro fora da área de formação, entre outros.
Em vista disso, priorizar os horários para as atividades de lazer é uma forma de se manter descansado, criativo e mais produtivo durante o trabalho na sala de aula.

Rotinas Criativas na Educação Empreendedora

A Educação Empreendedora tem como principal objetivo incentivar a criatividade e a versatilidade do estudante, como forma de prepará-lo para o futuro profissional. A professora Lucimara Bauab Bello lança mão de rotinas de pensamento para engajar alunos do Ensino Médio. Por conseguinte, a proposta é colocar o estudante como protagonista, tornando mais prática e efetiva a avaliação durante suas aulas de inglês.
Com a mudança da aula presencial para o ambiente virtual, durante a pandemia, Lucimara precisou reinventar seu método de ensino. Objetivando inovar as aulas e garantir a participação dos jovens durante a aula remota e, com isso, ela antecipa os conteúdos das próximas aulas.
Portanto, os estudantes pesquisam previamente e levam o conteúdo para discutir na aula seguinte. A proposta é que o educador deixe de ser apenas expositor dos conteúdos e atue no esclarecimento de possíveis dúvidas, apontando caminhos e incentivando a autonomia da turma.
O método da professora Lucimara Bello propõe aos estudantes que busquem soluções inovadoras e criativas, estando muito alinhadas à proposta da Educação Empreendedora. Além disso, é uma forma de aproveitamento do ambiente virtual, engajando os jovens e abrindo caminhos para novas formas de ensino. Estas, porém, podem ser compostas de atividades extracurriculares.
Corroborando com tal informação, Maria Gontijo, fundadora da Ways, plataforma de educação extracurricular, em entrevista: atividades extracurriculares e como elas ajudam na aplicação de uma educação mais empreendedora argumenta que
“As atividades extracurriculares são essenciais para a formação integral do indivíduo. Elas proporcionam aos estudantes novas formas de aprender, desenvolvendo um ensino dinâmico e empreendedor”.
A Criatividade e o Empreendedorismo, logo, andam juntos em relação ao futuro do mercado profissional. Os educadores precisam se adaptar às mudanças e às metodologias. As metodologias ativas, assim, beneficiam a criatividade ligada à educação empreendedora.
Em vista disso, Gontijo enfatiza que essas metodologias se contrapõem com as tradicionais porque
“As metodologias ativas enxergam o aluno como protagonista do processo. Existem várias, mas vale citar as duas mais faladas nos dias de hoje: o ensino livre, que consegue mesclar o on-line e o off-line e a aprendizagem baseada em problemas, que trabalham na construção do conhecimento a partir de um problema que é levado para a sala para que a turma busque soluções”.

E, na prática, como o professor deve elaborar sua rotina criativa?

Um exemplo icônico para que o professor possa seguir é o cotidiano de grandes artistas e cientistas, considerados os gênios e que claramente possuíam a habilidade de vincular rotina e criatividade.
E, para ilustrar a ideia,tem-se como exemplo, Leonardo da Vinci, que, além de excelente pintor, era músico, escultor, cientista, engenheiro e detentor de outros atributos. Portanto, assemelha-se à sobrecarga que o professor possui atualmente.
Da Vinci não tinha mais que 24 horas em seu dia, assim como os demais também não têm. A tônica era como dividir o tempo de forma inteligente e agradável. Os diversos estudos acerca da rotina do gênio deram origem à chamada Agenda Da Vinci, que compreende:
  • o despertar do sono, que deve ser feito de forma mais tranquila e envolvendo atividades com o corpo, como exercícios físicos e/ou meditação;
  • na hora do trabalho mais intenso, com a energia em alta, é o momento mais apropriado para tarefas complexas;
  • após o almoço, é hora dos trabalhos mais simples, como demandas administrativas, pagar contas, checar e responder e-mails;
  • mais ao fim da tarde, quando o cansaço começa a bater, é o momento ideal para interagir com as pessoas, realizar reuniões e ter contato com colegas, procurando reanimar-se e
  • o fim do dia é a hora do lazer, de esportes, leituras, atividades que geram sensações de prazer e descanso.

Fundamente-se para elaborar a sua rotina criativa

Diante o exposto deste conteúdo, é importante lembrar que as pessoas são diferentes e têm necessidades específicas. É indispensável levar isso em conta e ter em mente que Rotina Criativa é uma construção, com testes e adaptações necessárias ao longo do tempo.
Com isso, acesse o conteúdo do Cer Sebrae, referência em educação empreendedora, que visa o desenvolvimento de habilidades e competências do estudante, que servirão como base para encarar os desafios do mundo atual.
Compartilhe este conteúdo

Assine a Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades