Scratch: o que é e o que tem a ver com educação?

Blog Scratch: o que é e o que tem a ver com educação?

Compartilhe este conteúdo
O que você acha da afirmação “aprender Programação deveria ser tão importante quanto ler e escrever”?
O MIT Media Lab, laboratório interdisciplinar que utiliza novas tecnologias e linguagens para enriquecer o processo de aprendizagem e promover experiências de ensino criativas, acredita que todos deveriam aprender essa que é uma das habilidades mais importantes do século XXI.
Muito diferente do que as pessoas leigas podem acreditar, aprender a codificar ou a programar não é exclusivo para quem quer trabalhar com isso.
É algo que permite que as crianças e os jovens desenvolvam novas maneiras de aprender e de ver o mundo. Além disso, é um meio de se tornar fluente em novas tecnologias, habilidade fundamental em um mundo que desenvolve novos softwares e ferramentas diariamente.

Como introduzir, porém, o universo da Programação no ensino infantil?

O Scratch é uma das formas de fazer isso de maneira simples e divertida. Neste post de hoje, entenda como ele funciona e conheça 7 motivos para implementá-lo em sala de aula. É mais simples do que imagina e pode contribuir muito para o desenvolvimento dos alunos.

Antes de tudo: o que é Scratch?

Scratch é uma linguagem de Programação criada no próprio Media Lab do MIT, um dos maiores institutos de tecnologia do mundo.
Ela é simples e muito mais acessível que outras linguagens, uma vez que não exige conhecimento prévio de quem quer começar a desenvolver programas e possui interface gráfica supersimples e intuitiva.
O Scratch está disponível gratuitamente em um ambiente virtual de fácil acesso e é traduzido em mais de 40 idiomas (o português é um deles).
Em uma comunidade on-line, é possível compartilhar projetos e conferir os trabalhos de outros usuários em todo o mundo, fazendo com que pessoas de várias idades e nacionalidades tenham acesso aos códigos e troquem experiências on-line.

Por que utilizá-lo na Educação?

Mesmo que crianças e jovens estejam completamente familiarizados com a tecnologia, é importante entender que ser nativo digital é diferente de possuir fluência digital.
Enquanto o primeiro fala sobre a habilidade de utilizar gadgets de maneira intuitiva, sem necessidade de que alguém ensine o passo a passo, o segundo diz respeito à capacidade de se expressar por meio da tecnologia.
Estamos falando aqui de pessoas capazes de participar da sociedade, sabendo se comunicar, criar soluções e mostrar sua ideias para o mundo, aproveitando a possibilidade originada pela internet.
O Scratch é uma ótima maneira de introduzir a Programação em sala de aula porque é muito simples: funciona com blocos, em que cada um representa uma função ou um controle no programa.
A pessoa escolhe o que quer e simplesmente monta no ambiente virtual, sendo capaz de acompanhar o resultado do seu esforço e, assim, revisar o programa criado, melhorar aspectos dele e discutir sobre novas possibilidades com uma grande comunidade.
Não é exigido que saiba escrever os códigos, mas, mesmo assim, com o Scratch é possível desenvolver a capacidade analítica e entender como funciona a programação por trás de tudo o que utilizamos hoje em dia.

O Scratch Day no Brasil

Por intermédio da RABC (Rede Brasileira de Aprendizagem Criativa), ou seja, movimento de educadores, pais, pesquisadores, estudantes, artistas e organizações que promove e apoia o uso de práticas criativas de ensino no Brasil, o Scratch está se espalhando por todo o território nacional.
O Brasil, em 2019, foi o país que mais realizou eventos em comemoração ao Scratch Day, data comemorativa do Scratch, estimulada pelo laboratório de pesquisa do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT).
Nesse dia, foram feitos festivais visando apresentar o Scratch às pessoas e falar sobre como essa linguagem pode ser importante para o ensino em sala de aula. Foram mais de 450 ações por todas as regiões do país.
As demonstrações incluíam experiências com o kit de eletrônica Makey Makey e a criação de jogos.
Em um evento em Vitória da Conquista, no Sul da Bahia, foram reunidas mais de 600 pessoas. Em 2020, em razão da pandemia, foi realizado um evento on-line que durou todo o mês de maio, com várias atividades divertidas para que os alunos desenvolvessem.
A RABC teve uma ótima notícia neste ano de 2021, pois foi selecionada pelo Edital Tech and Play da Fundação LEGO da Dinamarca e receberá US$ 4 milhões para que possa implementar mais programas de Escola Criativas no Brasil, algo que vai beneficiar muito as escolas do Ensino Fundamental.
Por meio deste Edital, mais de 500 mil crianças em 20 redes de ensino estaduais e municipais terão o apoio da RABC com vistas a implementar a Educação Criativa. Ou seja, o Scratch fará parte da rotina escolar de mais de meio milhão de crianças brasileiras!

7 motivos para usar o Scratch em sala de aula:

1. Incentiva crianças e adolescentes a desenvolver uma linha de pensamento e a raciocinar sistematicamente.
2. Desafia a imaginação e permite que a pessoa explore diversos elementos para conseguir expressar o que deseja.
3. Não exige conhecimento de código, embora faça com que quem o utiliza se familiarize com o modo de funcionamento da Programação.
4. Atrai a atenção dos jovens já totalmente familiarizados com tecnologia e permite que eles continuem o aprendizado também fora da sala de aula.
5. Cria um ambiente de discussão com foco no Planejamento de um Programa em que crianças e jovens se ajudam buscando desenvolver e conhecer soluções cada vez melhores.
6.Exercita a capacidade cognitiva e o uso dos sentidos humanos.
7. Permite o compartilhamento dos trabalhos e o entendimento de que grupos podem desenvolver soluções que sejam melhores para todos (no site https://scratch.mit.edu é cheio de opções e há conteúdos para jovens, pais e educadores).
Que tal acessar o Portal do Scratch e aprender na prática como funciona?
Esse é o primeiro passo para que você entenda como é simples aplicá-lo em sala de aula.
Confira também a entrevista que Fernando Americano, do Le Wagon, concedeu ao CER: Código para uma nova Educação. Nela, ele fala sobre o potencial que o ensino de Programação tem para transformar a Educação e o impacto disso na Cultura Empreendedora.
Compartilhe este conteúdo

Assine a Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades