Como trabalhar storytelling na educação

Se você é um professor que busca levar atividades diferenciadas para a sala de aula, provavelmente já conhece alguns benefícios da aplicação do storytelling na educação. Ao contrário do que muita gente pensa, o storytelling não é a simples contação de histórias. É o uso de narrativas de forma estruturada e estratégica, com o objetivo de cativar a atenção de quem ouve, aumentando ainda mais a sua capacidade de absorção da mensagem.

Parte da cultura humana desde sempre, as histórias são um instrumento de identidade e de memória e já cumpriam papel educativo nas civilizações antigas. Ao redor do fogo, as histórias eram contadas como maneira de preservar o conhecimento e transmiti-lo às gerações seguintes.

Todavia, de que maneira levar as histórias para a sala de aula de forma estratégica? Neste post, trazemos exemplos de como usar o storytelling na educação pode ser mais simples do que você imagina.

Storytelling na educação empreendedora: uma ferramenta poderosa

A arte de contar histórias tem grande poder de engajar o ouvinte ao conteúdo que está sendo transmitindo. Ela permite que o ouvinte faça associações dos conceitos e também seja capaz de levar a realidade dos personagens para a sua realidade. Em um contexto em que a tecnologia está em todas as tarefas cotidianas e as telas com cores, movimento e sons são extramemente atrativas (para não dizer viciantes), conseguir a atenção de qualquer pessoa para atividades analógicas, que demandam concentração por um período mais longo de tempo, é um grande desafio.

Por isso, seja em empresas seja na educação, o storytelling vem sendo aplicado como uma poderosa ferramenta de engajamento. Por meio de histórias bem contadas, os estudantes podem descobrir e imaginar possibilidades ativando a imaginação e o pensamento especulativo.

O processo de aprendizado de crianças, por exemplo, parte do topo para as partes e por isso amarrar todo o conteúdo dentro de uma história com início, meio e fim e uma missão clara é tão importante. Elas podem se esquecer dos detalhes da narrativa, mas certamente se lembrarão da missão dos personagens, seus valores e conquistas.

Como dois professores usam storytelling na educação

Há alguns anos, três amigos estavam passando por dificuldades financeiras para pagar o aluguel do apartamento em São Francisco, Estados Unidos, e tiveram uma ideia que revolucionou a indústria hoteleira e o turismo no mundo. Durante uma conferência na cidade e com hotéis com lotação completa, eles decidiram alugar colchões infláveis e os espaços dentro da própria casa como forma de ganhar um dinheiro extra. Nascia então o Airbnb, maior plataforma de economia compartilhada no mundo.

Quem ouve essa história não pensa necessariamente na teoria desenvolvida pela professora Saras Sarasvathy sobre o método Effectuation (entenda o que é aqui), um dos pilares do ensino de empreendedorismo contemporâneo, certo? Pois essa foi a estratégia usada pelo professor de Gestão Financeira Fabiano Santos, da Escola de Formação Gerencial do Sebrae (Belo Horizonte), para ensinar seus alunos de ensino médio sobre a teoria da professora Saras.

Ele próprio desenvolveu uma história em quadrinhos, contando a trajetória dos fundadores do Airbnb como um dos exemplos de desenvolvimento de negócios por Effectuation. “Com isso, eu levo o foco dos alunos para o negócio e só depois introduzo o Effectuation. O Airbnb já está presente em nossa vivência diária e, por meio desse caso, consigo também abordar outros conceitos como ‘startups unicórnio’, dentre outros. É possível ter um envolvimento maior dos alunos com essa estratégia”, explica Fabiano Santos.

Outro ponto positivo do uso de storytelling para a educação empreendedora é tornar o empreendedorismo mais tangível aos estudantes. Ao tomarem conhecimento das histórias de quem empreende, eles conseguem entender o empreendedorismo como um caminho possível para seu futuro profissional. “Muitas pessoas têm a ideia de que empreender é algo muito difícil, algo mirabolante. A história do Airbnb mostra que esse negócio de sucesso nem era uma ideia tão elaborada assim, no início. Isso muda tudo. Os alunos percebem que podem começar de uma forma simples”, completa o professor.

Além disso, aprender empreendedorismo por meio das histórias contribui para entender a presença de desafios e dos erros na trajetória empreendedora de qualquer empreendedor de sucesso.

Conheça 3 lições valiosas do storytelling para o ensino de empreendedorismo

Outras possibilidades de uso do storytelling na educação

Mesmo em outras disciplinas, o uso do storytelling na educação pode trazer excelentes resultados, especialmente quando o assunto é engajamento dos alunos. Essa foi a estratégia usada pelo professor Allysson Lima, que dá aulas de História para os alunos do terceiro ano da EFG – Escola do Sebrae de Formação Gerencial.

Fã de histórias, Allyson foi jogador de RPG na adolescência e reconhece o poder da construção de personagens para o envolvimento em determinado tema. “A diferença da nossa espécie em relação à anterior é exatamente a evolução cognitiva que nos permitiu criar ficções. Com isso, conseguimos compreender a religião, o Estado e diversos outros aspectos da nossa sociedade. O storytelling funciona porque ele ajuda nossa espécie a cooperar”, explica Allysson.

Em suas aulas, o storytelling entra em cena quando ele leva documentos que contenham vestígios e evidências históricas para a sala de aula. “Assim, tenho mais capacidade de trazer esses alunos para dentro da história, de engajá-los”.

Há um tempo, ao trabalhar o conteúdo sobre Brasil Colônia com uma de suas turmas, Allysson propôs a criação de uma peça de teatro. O roteiro era totalmente livre, uma criação 100% feita pelos jovens. Em uma das cenas protagonizadas pelos estudantes, dois escravos que constituíram uma família estavam deitados no chão, contemplando as estrelas e falando sobre seus sonhos. “Quando vi essa cena, pensei: é isso. Não só a capacidade cognitiva deles foi atingida, como eles conseguiram se transportar para aquele tempo. E mais: foram capazes de fazer com que os próprios personagens construíssem sentido para sua vida”, conta Allysson.

Assim como o professor Allysson aplicou storytelling na educação como ferramenta para engajamento, você pode se beneficiar dessa estratégia em diversos contextos na sua instituição de ensino. Para entender a fundo os componentes de uma boa narrativa e todas as etapas de uma história bem contada, baixe nosso e-book gratuito sobre storytelling na educação.

E, se quiser entender mais do universo de storytelling no mercado, veja este artigo do Inovação Sebrae Minas: Storytelling: últimas tendências e como utilizar na sua empresa

leia também

Juventude e Conexões: como os jovens brasileiros entendem o que é empreendedorismo?
continuar lendo
5 jogos educativos para usar em suas aulas
continuar lendo
Como escolher a melhor ferramenta para aulas online
continuar lendo

Quer ficar sabendo de tudo antes? Assine a
newsletter e receba novidades no seu e-mail.

x
área restrita
Usuário
senha
×