7 formas de criar mais engajamento na educação infantil

Sabemos que as crianças são muito curiosas, especialmente as mais novas. No ambiente escolar, a impressão que temos é de que seria muito fácil criar engajamento na educação infantil. No entanto, essa não é a realidade.

Com a habilidade de se concentrar apenas por um tempo que varia entre 3 e 30 minutos seguidos, aumentando de acordo com a idade, é desafiador fazer com que os pequenos estudantes fiquem atentos o tempo todo, não se distraiam com qualquer coisa e criem conexão com os conteúdos ensinados.

No artigo 7 Ways to Spark Engagement (7 Maneiras de Estimular o Engajamento), do site Edutopia, pertencente à Fundação Educacional George Lucas, a ex-professora e consultora educacional Cheryl Abla fala sobre como os professores podem impulsionar o interesse dos alunos pelas aulas e pelo aprendizado ao adotar medidas simples. Veja neste artigo as 7 ações ensinadas por Abla que podem tornar as suas aulas mais envolventes para os pequenos.

Engajamento na educação infantil

De acordo com a consultora educacional, a chave para criar mais engajamento na educação infantil, bem como em outros níveis de ensino, é estabelecer uma estratégia que envolva um conjunto coordenado de ações simples que vão promover intencionalmente a curiosidade dos alunos – ações que todo professor já utiliza em alguma medida.

Essa curiosidade fará com que os estudantes fortaleçam sua conexão com as aulas, interajam mais uns com os outros e tenham maior disposição de se comprometerem com os objetivos de aprendizagem da classe.

A seguir, confira as sete ações sugeridas por Abla.

1. Aproveite o poder do mistério

De acordo com a autora, os humanos têm uma necessidade compulsiva de descobrir o que será que vai acontecer a seguir, além de adorar resolver quebra-cabeças e encontrar sequências e padrões. Então, os professores podem utilizar mistérios para estimular o engajamento na educação infantil.

Faça perguntas amplas para grupos de três ou quatro alunos, por exemplo,  “o que aconteceria se…?”. Depois, deixe-os discutir e apresentar suas hipóteses para a turma, justificando seu pensamento. Com isso, os alunos vão aprendendo também que a conjectura é um bom ponto de partida para o aprendizado.

2. Faça uma pausa depois de uma pergunta e após obter uma resposta

Fazer perguntas e respostas de forma acelerada não é uma boa tática que possa ajudar a maioria dos alunos. Isso porque cada pessoa processa a informação de maneira diferente, e, especialmente no caso de crianças muito novas, elas podem abandonar a linha de pensamento ou nem tentar pensar em uma resposta ao receber a solução logo de cara, mesmo que essa venha de um colega da mesma idade.

Por isso, faça uma pausa propositada logo após cada pergunta e novamente depois de cada resposta. A segunda pausa fará com que os alunos tenham tempo de reconsiderar a pergunta e refletir sobre a primeira resposta que ouviram.

Um bom recurso para esse momento, já utilizado por professores da educação infantil, é solicitar a todos as respostas ao mesmo tempo. Isso diminui o risco de os estudantes não estarem ativamente envolvidos com o conteúdo.

3. Faça menos perguntas e aprofunde-as

Na avaliação de Abla, uma ou duas perguntas bem-elaboradas podem levar a uma discussão mais profunda, como aquelas que começam com “e se…” ou “como pode….”. O melhor é fazer perguntas que não tenham uma resposta que não mereça discussão ou crítica (sim ou não) e que não estejam inteiramente baseadas na recuperação de fatos. Não tenha medo de promover uma pequena discussão colaborativa com os pequenos, em uma linguagem acessível a eles e cujo tema seja adequado para a sua faixa etária.

4. Estimule debates

Fazer com que os alunos debatam um tópico é uma boa forma de criar engajamento. Você pode elaborar perguntas do tipo “por que vocês acham que o personagem respondeu dessa forma?” ou “o que vocês acham que aconteceu com o fulano quando essa circunstância ocorreu?”. Assim, os alunos podem expor ideias e  pontos de vista.

5. Faça-os reconhecer o que sabem e o que não sabem sobre um assunto

Pergunte aos alunos qual conhecimento eles têm sobre determinado tópico e, em seguida, indague o que eles “acham que não sabem”. Com isso, eles terão a oportunidade de examinar seu conhecimento e sua capacidade de aprender ainda mais sobre assuntos com os quais talvez já tenham entrado em contato anteriormente. Essa é uma forma de aumentar a curiosidade deles e a disposição de fazer um esforço extra para aprender. A autora chama essa ação de “preencher a lacuna de conhecimento dos estudantes”.

6. Mostre aos alunos o motivo pelo qual precisam saber determinado assunto

Para Abla, toda vez que um aluno pergunta por que precisa saber isso ou aquilo, ele está apontando para uma tática de ensino promissora. É fundamental que os alunos entendam desde pequenos como o conteúdo é importante para eles a fim de que eles se engajem na aprendizagem.

7. Incentive a colaboração dinâmica

O trabalho colaborativo leva os alunos a desenvolver habilidades sociais enquanto aprendem. Introduza pequenos trabalhos em grupo na educação infantil, ensinando-os a se ajudarem mutuamente para criar histórias, desenhos e colagens.

O engajamento na educação infantil pode vir de medidas simples e bem-pensadas visando estimular a curiosidade, aspecto muito próprio das crianças. Veja também nosso post sobre a experiência de uma escola da Bahia com um projeto que estimula a autonomia na educação infantil, pelo qual a professora responsável foi vencedora do Prêmio Professores do Brasil 2018.

leia também

Educação 5.0 x 4.0 – entenda as diferenças entre os conceitos
continuar lendo
Conheça 4 iniciativas de Educação Empreendedora premiadas no Brasil
continuar lendo
Hackeando a educação tradicional – entrevista com Dale Stephens
continuar lendo

Quer ficar sabendo de tudo antes? Assine a
newsletter e receba novidades no seu e-mail.

x
área restrita
Usuário
senha
×