Espiral do conhecimento: conheça a metodologia

Inovar é criar algo diferente, dar um passo em direção ao futuro ou trilhar caminhos nunca explorados. Isso em um cenário em que as informações estão amplamente disponíveis nas plataformas digitais, e o acesso à tecnologia se torna cada vez mais fácil e barato nos últimos anos. O principal diferencial competitivo dos profissionais do século XXI passa a ser sua capacidade de pensar de maneira diferente e de dar soluções. São reflexos do crescimento da economia criativa, da forte presença das startups no mercado e da era pós – revolução digital.

Seja nas escolas, universidades ou empresas, o processo de inovação está intimamente ligado à boa gestão do conhecimento. Isso porque a inovação propõe a organização e a sistematização das informações, de forma que essas sejam registradas, consultadas e compartilhadas, permitindo seu estudo e análise e dando subsídio para a produção de um conhecimento ainda mais novo. Uma das ferramentas para isso é a Espiral do Conhecimento, teoria proposta pelos  professores Nonaka e Takeuchi. Conheça mais da metodologia e saiba como colocá-la em prática.

Como funciona a Espiral do Conhecimento

A metodologia parte do pressuposto de que existem duas formas principais de conhecimento, o tácito e o explícito.

  • Conhecimento tácito: são as experiências e os aprendizados adquiridos ao longo da vida e, por isso, têm natureza subjetiva. A palavra “tácito” vem do latim e significa silencioso.
  • Conhecimento explícito: é aquele formalizado em textos, vídeos, artigos, documentos ou qualquer outro tipo de registro que detalhe e explique as lições principais. Também de origem latina, a palavra “explícito” significa declarado, dito.

Ciclos de gestão do conhecimento

Um dos principais desafios na gestão do conhecimento é preservar as informações e as experiências subjetivas adquiridas pelas pessoas envolvidas. Por isso, a metodologia consiste na conversão do conhecimento tácito em conhecimento explícito. Para isso, é dividida em quatro etapas cíclicas, como em uma espiral: a sensibilização, a externalização, a combinação e a internalização. Entenda como elas ocorrem.

Espiral do conhecimento na prática

Inserir a lógica da espiral do conhecimento em sala de aula é simples e pode ser feita de diversas formas. Veja só:

A Socialização, primeira etapa da espiral, pressupõe um certo nível de interação social e relacionamento, já que diz respeito à transmissão do conhecimento e das experiências pessoais entre indivíduos. O processo pode ser feito em momentos de brainstorming, bate-papo e rodas de conversa, mentoria, trabalho em parceria (grupos, duplas) e em outras formas que priorizem a transmissão de ideias e pensamentos em conversas ou pela imitação da prática. Em seguida, é o momento de se registrar o conhecimento transmitido, na fase de Externalização. Isso pode ser feito por meio da redação de artigos, normas, gráficos, símbolos ou outros recursos que facilitem o acesso ao conhecimento por outras pessoas.

A próxima etapa, muito importante para a geração de insights e ideias inovadoras, é a Combinação. Ou seja: é quando diferentes indivíduos combinam o conhecimento explícito a que têm acesso, produzindo um novo conhecimento, ainda mais rico. Em uma escola, a combinação é típica dos projetos multidisciplinares e dos trabalhos em grupo. Em uma empresa, do trabalho integrado entre setores e das reuniões. Depois da Combinação, é hora de cada pessoa envolvida no processo internalizar o conhecimento. Com sua bagagem pessoal e suas experiências, essa interpretação será única, se convertendo em conhecimento tácito mais uma vez.

Como o próprio nome diz, a espiral se realiza quando essas quatro etapas se retroalimentam,  levando a organização a níveis mais aprofundados de conhecimento, na medida em que os processos de gestão das informações amadurecem. Dessa maneira, a etapa de socialização será cada vez mais rica e levará à produção de conhecimento explícito com qualidade ainda maior, e assim sucessivamente.

Uma boa maneira de colocar a Espiral do Conhecimento em prática é se inspirando em novas metodologias de aprendizagem como a Sala de Aula Invertida e as Estações de Aprendizagem. Para saber mais sobre as técnicas, confira os posts que preparamos sobre os temas.

leia também

Como cuidar da saúde mental dos professores em tempos difíceis
continuar lendo
Ensino de programação: 7 dicas para quem está começando
continuar lendo
O que é cultura empreendedora e como estimulá-la na escola
continuar lendo

Quer ficar sabendo de tudo antes? Assine a
newsletter e receba novidades no seu e-mail.

x
área restrita
Usuário
senha
×