Como transformar o estágio obrigatório em ferramenta de educação empreendedora

O estágio curricular, prática educativa desenvolvida no ambiente de trabalho como forma de preparar os alunos para a vida profissional, é obrigatório em relação a diversos cursos técnicos e de nível superior no Brasil.  É frequentemente o primeiro contato dos jovens com o mundo do trabalho, em empresas ou instituições públicas. No estágio obrigatório, eles descobrem como exercer o que aprenderam nos cursos e assimilam regras de convívio e hierarquia.

O estágio obrigatório é muito importante para formar profissionais mais aptos ao mercado de trabalho. Assim, eles chegam ao primeiro emprego com mais conhecimento de como as coisas funcionam e acumulam alguma experiência da função com a qual vão trabalhar, sendo vantajoso tanto para o aluno quanto para a empresa que o contrata.

Se essas experiências forem compartilhadas e discutidas em sala de aula, os professores podem levantar tópicos importantes de reflexão sobre as limitações da teoria com relação à prática, as dificuldades encontradas no dia a dia e no setor onde os jovens trabalham, questões éticas e as melhores práticas.

Para além da reflexão sobre o mundo do trabalho, o professor também pode promover a educação empreendedora por meio do estágio obrigatório, ajudando a preparar os jovens não somente para integrar o time de funcionários das empresas, mas também para fazer a diferença com iniciativas importantes, e para que sejam capazes de fundar negócios próprios, caso um dia desejem isso.

Aprenda métodos para transformar o estágio obrigatório em ferramenta de educação empreendedora neste post.

4 atividades para promover a educação empreendedora no estágio obrigatório

As atividades a seguir utilizam o estágio obrigatório com o objetivo de capacitar os jovens para o empreendedorismo. A maioria delas está relacionada com a elaboração de itens muito importantes para qualquer empresa,  grande ou pequena. Isso faz com que esses trabalhos sejam uma oportunidade para os estudantes levarem esses recursos às companhias, abrindo caminho para possibilidades de melhoria e crescimento.

Criar um Modelo de Negócios

O Modelo de Negócios, ou Business Model Canvas, pode ser considerado um documento essencial para toda empresa; é importante principalmente nas fases de planejamento e lançamento do negócio. Ao elaborar um Modelo de Negócios da empresa onde está fazendo estágio, o estudante consegue ter visão ampla e sistêmica de todos os recursos necessários para fazer uma empresa funcionar, entendendo como eles estão relacionados entre si.

Consiste em uma representação visual simples que mapeia os elementos principais do negócio. Um diagrama de 9 quadros que mostra o que a empresa faz e como faz. Pode ser feito à mão, utilizando softwares de edição de texto ou modelos prontos baixados na internet, como os que estão disponíveis no Portal Inovação Sebrae Minas.

Os elementos do diagrama são:

Não há ordem correta para seu preenchimento, mas é aconselhável começar pela proposta de valor e, em seguida, pelo segmento de clientes, já que são os elementos norteadores de todo o restante.

Elaborar um Plano de Negócios

O Plano de Negócios é um documento muito mais detalhado do que o Modelo de Negócios, que consolida as informações sobre a empresa. Além de auxiliar a compreensão da organização como um todo, ele é útil para ajudar a prever o caminho que a empresa seguirá no futuro, sendo referência para a tomada de decisões.

O Plano de Negócios contém:

  • Dados dos empreendedores: apresentação pessoal e dados resumidos da experiência profissional e capacitação dos donos do negócio.
  • Dados do empreendimento: nome da empresa e CNPJ.
  • Missão da empresa: a razão da existência do negócio.
  • Setores de atividades: em quais setores a empresa atua.
  • Forma jurídica: se a empresa se enquadra como uma Microempresa (ME), Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (Eireli), Sociedade Simples (SS), Sociedade Empresária Limitada (Ltda.), dentre outras formas.
  • Enquadramento tributário: se a empresa se enquadra no Simples Nacional, em Lucro Presumido ou em Lucro Real, dentre outros.
  • Capital social: a quantia necessária para abrir a empresa e fazê-la funcionar.
  • Fonte de recursos: de onde vem a receita do negócio.
  • Análise de mercado: um estudo dos clientes, dos concorrentes e dos fornecedores.
  • Plano de marketing: descrição do mix de marketing da empresa, composto de produto, preço, praça (maneiras que os clientes chegam até os produtos) e promoção (ações de promoção de vendas).
  • Plano operacional: planejamento da operação da empresa.
  • Processos operacionais: descrição dos processos de operação da empresa.
  • Plano financeiro: esta é a parte mais complexa do plano, mais difícil de ser feita pelos estudantes, podendo ser simplificada ou deixada de lado. Contempla investimentos fixos, capital de giro, estimativa do faturamento mensal da empresa, dentre outros elementos.

Sugerir novos negócios

Esse exercício treina o aluno para que verifique oportunidades no âmbito do empreendedorismo. Ele pode tentar identificar como a proposta de valor da empresa pode atender a novos segmentos de clientes, sugerindo novos produtos ou serviços. Pode vislumbrar novos setores promissores para a empresa investir e diversificar seu negócio, conseguindo mais segurança no mercado e possibilidade de aumento de receita e crescimento.

Criar uma iniciativa de sustentabilidade ou de responsabilidade social

As iniciativas de sustentabilidade e responsabilidade social são muito importantes para as empresas, impactando positivamente as comunidades ao seu redor e melhorando a imagem das marcas no que diz respeito aos consumidores. Os alunos podem estruturar planos de ação ambiental que envolvam redução dos impactos da produção no meio ambiente, economia de recursos naturais, destinação correta de resíduos e conscientização dos empregados; ou iniciativas sociais que envolvam formação profissional ou acesso à cultura, por exemplo, sempre olhando para os problemas da comunidade e pensando em formas de minimizá-los.

O estágio obrigatório é uma etapa importante da vida estudantil e profissional dos jovens que pode ser usada para promover a educação empreendedora, formando profissionais prontos para contribuir melhor com as empresas e criar os próprios negócios. Veja também 5 razões para incentivar seus alunos a atuar em startups.

leia também

7 formas de criar mais engajamento na educação infantil
continuar lendo
Educação 5.0 x 4.0 – entenda as diferenças entre os conceitos
continuar lendo
Conheça 4 iniciativas de Educação Empreendedora premiadas no Brasil
continuar lendo

Quer ficar sabendo de tudo antes? Assine a
newsletter e receba novidades no seu e-mail.

x
área restrita
Usuário
senha
×