Como Izabel de Souza potencializou o engajamento dos seus alunos utilizando a tecnologia

Izabel de Souza é professora na rede municipal de ensino de Ferraz de Vasconcelos, em São Paulo. Ela tinha um problema com uma das turmas em que dava aula. Os alunos enfrentavam dificuldades de aprendizagem, especialmente em matemática.

 

Foi aí que ela teve contato com a plataforma Khan Academy, desenvolvida pela Fundação Lemann. Já falamos aqui sobre o Khan, mas a história da professora Izabel se diferencia por causa do engajamento que ela conseguiu gerar nos alunos.

 

Ela se inscreveu na plataforma, mas recebeu os logins e senhas de acesso apenas no último dia de aula antes das férias. Alguns alunos já haviam ido para casa. Mas ela não se conformou. Foi pra casa e encontrou os perfis de cada um no Facebook.

 

De casa, ela mostrou para eles o que era a plataforma e criou um chat conjunto para que todos pudessem trocar informações. O engajamento dos estudantes, mesmo em período de férias, foi incrível.

 

A cada semana, Izabel enviava para o chat um ranking de pontuações e isso gerou uma competição entre eles que incentivava a participar com cada vez mais engajamento. Quando voltaram das férias, já com os problemas de conexão resolvidos, a maioria já sabia como usar o Khan Academy e quem ainda não tinha tido acesso foi ajudado pelos próprios colegas.

 

O engajamento foi tanto que os alunos criaram um grupo e uma página no Facebook. Izabel contou sua experiência no encontro Transformar 2015, realizado pela Fundação Lemann, instituto Inspirare/Porvir e Instituto Península. O evento reuniu em São Paulo especialistas e representantes de experiências inovadoras em educação de sete países. 

leia também

Educação maker: construção de comunidade e da mentalidade ‘façamos-nós-mesmos’
continuar lendo
Open Badges: como validar conhecimentos e habilidades adquiridos fora de escolas e universidades
continuar lendo
5 dicas para novos professores
continuar lendo
newsletter
x
área restrita
Usuário
senha