5 formas de preparar os alunos para aprender ensinando

Empatia, colaboração, resiliência, habilidade de comunicação e de argumentação. Essas competências, tão importantes para a educação e o mercado de trabalho dos dias de hoje, requerem prática para ser desenvolvidas. E se, além de trabalhá-las, você pudesse encontrar uma forma de ajudar os estudantes a compreender melhor o conteúdo de suas aulas? Prepará-los para aprender ensinando é uma dessas maneiras.

Entenda quais são os benefícios dessa prática e como ajudar seus alunos a se prepararem para ensinar.

Benefícios de aprender ensinando

Elizabeth Aguila, professora de ensino médio da Academy of Education, nos Estados Unidos, conta, em um artigo publicado no portal de educação Edutopia, a experiência de transformar os alunos em educadores tem sido muito proveitosa para suas turmas.

Uma de suas estratégias é usar a tarefa de ensinar como uma maneira de preencher lacunas no aprendizado dos novos ‘professores’, uma vez que eles se veem diante do desafio de explicar e tirar dúvidas sobre conteúdos de séries anteriores aos alunos mais jovens. E as melhorias são visíveis. “Eles demonstram mais habilidade de leitura, depois de revisar e ensinar as regras sobre as vogais para as crianças, por exemplo”, conta.

Esse benefício é percebido, em especial, entre os alunos com algum tipo de deficiência, barreira de linguagem ou que enfrentam dificuldades financeiras (sem acesso à tecnologia ou a todo o material didático), já que a oportunidade de ensinar acaba se tornando uma chance de ter contato com todo o conteúdo novamente, trabalhando em qualquer dúvida que tenha restado. Ao se verem diante do desafio de ensinar robótica aos alunos mais jovens, muitos dos estudantes de Elizabeth tiveram a oportunidade de entrar em contato, pela primeira vez, com essa tecnologia, que não estava presente no currículo quando eles eram mais novos.

Refletindo sobre a própria experiência em sala de aula, a professora falou sobre cinco formas de ajudar os alunos a aprender ensinando. Veja só!

aprender ensinando1) Entenda as dificuldades dos alunos

O primeiro passo para direcionar o aprendizado do estudante, tão logo ele assuma o papel de educador, é mapear as áreas de conhecimento ou os temas nos quais ele apresenta mais dificuldades. A partir daí, você pode incentivá-lo a ensinar algo relativo àquele assunto, porém a partir do conteúdo de séries anteriores. O exercício de revisão, por si só, já vai ajudá-lo a compreender melhor o que tem visto em sala de aula no momento. Além disso, a prática de tirar dúvida dos colegas mais novos pode acabar sanando dúvidas próprias que nunca foram esclarecidas.

2) Escolha os alunos de seus alunos

O segundo passo é um exercício para os próprios professores. Antes de dar início à atividade, reúna-se com seus colegas e fale sobre habilidades e pontos fracos de cada um dos jovens. Assim, vocês poderão pensar no ‘match’ perfeito, em que os dois alunos poderão aprender juntos e a ensinar mutuamente alguma matéria durante a prática, independentemente da diferença de idade.

3) Disponibilize um modelo

Dar direcionamentos objetivos é muito importante para que os alunos se sintam mais seguros. Não é preciso fazer um grande planejamento, mas apresentar aos estudantes um plano com as expectativas e as tarefas que devem ser cumpridas durante a atividade pode contribuir para o sucesso da prática. Você pode até mesmo discutir previamente como eles pretendem ensinar cada tema, quais recursos terão à disposição, etc. O nível de autonomia durante o exercício depende principalmente da maturidade dos seus alunos e do tempo disponível.

4) Seja um mentor

Esteja ao lado das duplas ou dos grupos durante toda a atividade, tanto para corrigir eventuais informações quanto para transmitir mais confiança aos ‘educadores’. Seu papel é atuar como um mentor, facilitando o ‘modelo de ensino’ e o formato escolhido. No entanto, lembre-se de que eles também aprenderão com os erros;dessa forma, as intervenções devem ser feitas somente quando necessárias.

5) Reserve um tempo para reflexão

Após a atividade, refletir sobre o que foi feito é essencial visando consolidar o conhecimento. Pergunte sobre dificuldades enfrentadas, quais dúvidas geraram novas dúvidas, com quais temas os alunos se sentiram mais seguros. Aproveite para saber também como eles se saíram no quesito ‘relacionamento’.

Uma boa dica é pedir que essa reflexão seja feita por escrito, seguida de uma conversa, de acordo com a professora Elizabeth. “Esse é o passo mais crítico neste processo de aprendizagem”, diz.

As startups têm uma metodologia própria, que estimula empreendedores a se abrirem para o risco e para a falha. Assim, podem aprender com os próprios erros e criar projetos cada vez mais vantajosos. Conheça mais sobre o “fail fast”.

leia também

7 formas de criar mais engajamento na educação infantil
continuar lendo
Educação 5.0 x 4.0 – entenda as diferenças entre os conceitos
continuar lendo
Conheça 4 iniciativas de Educação Empreendedora premiadas no Brasil
continuar lendo

Quer ficar sabendo de tudo antes? Assine a
newsletter e receba novidades no seu e-mail.

x
área restrita
Usuário
senha
×